Braga, quarta-feira

Acusado de 23 furtos em Braga confessa crimes para arranjar dinheiro para droga

Regional

24 Fevereiro 2021

Lusa

Um homem acusado de 23 furtos a estabelecimentos comerciais e escolas de Braga confessou hoje a quase totalidade dos crimes, assumindo que o objetivo era arranjar dinheiro para comprar droga.

No início do julgamento, que decorreu no Centro Cívico de Palmeira, em Braga, por causa dos condicionalismos decorrentes da pandemia de covid-19, o arguido, de 42 anos, disse que apenas não se lembrava de ter praticado um dos furtos.
 

Questionou, ainda, o valor das quantias que conseguiu com alguns furtos.
 

“Andava perdido”, disse, manifestando-se arrependido e pedindo desculpa a todos os lesados.
 

O arguido, que na altura dos factos vivia na rua, disse ainda precisar de um “tratamento sério” para se livrar da toxicodependência e abandonar de vez o mundo do crime.
 

“Quero mudar de vida”, afirmou em tribunal, pedindo que lhe seja dada uma oportunidade.
 

O homem já tinha sido condenado a 10 anos de prisão por crimes idênticos, tendo sido posto em liberdade condicional em maio de 2019.
 

Os furtos agora em julgamento decorreram entre 07 de fevereiro e 08 de junho de 2020, muitos deles durante o confinamento obrigatório e encerramento do comércio decretado no âmbito do combate à pandemia de covid-19.
 

Alguns dos alvos foram o Centro de Estimulação Intensiva em Neurologia, uma agência de viagens, uma 'sex shop', uma clínica dentária, uma costureira, supermercados, hotéis, lavandarias self-service e pastelarias.
 

As escolas secundárias D. Maria II e Alberto Sampaio também foram assaltadas, tendo aqui as “atenções” recaído sobre as caixas das moedas das mesas de matraquilhos.
 

Sete dos furtos foram na forma tentada.
 

No assalto à agência de viagens, o arguido ameaçou e agrediu o dono do estabelecimento.
 

Por isso, o arguido responde ainda por um crime de ameaça agravada e um crime de ofensas à integridade física.
 

No total, e segundo o Ministério Público (MP), os assaltos “renderam” mais de 9.200 euros, entre dinheiro e artigos vários, sobretudo eletrónicos.
 

Em dois dos assaltos, terá participado um outro homem, também arguido no processo mas que hoje esteve ausente do julgamento.

Deixa o teu comentário