Braga, sábado

Advogado e mais três arguidos condenados por roubo numa residência em Famalicão

Regional

13 Janeiro 2021

Lusa

O Tribunal de Guimarães condenou quatro arguidos, entre os quais um advogado, a penas de prisão efetiva pelo assalto com violência à residência de um casal em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão, em novembro de 2019, foi hoje anunciado.

Em nota publicada na sua página, a Procuradoria-Geral Regional do Porto refere que as penas aplicadas variam entre os oito anos de prisão e os cinco anos e 10 meses.

O advogado arguido, residente na Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, foi condenado a cinco anos e 10 meses de prisão, como instigador de dois crimes de roubo.

Os arguidos têm ainda de pagar 15 mil euros às vítimas.

Segundo o acórdão, o advogado sabia que o casal de Ribeirão guardava em casa dinheiro, artigos de joalharia e relógios valiosos, e “formulou o propósito de deles se apoderar, com recurso à violência física se a tanto fosse necessário”.

Para execução do plano, contactou um outro arguido, que por sua vez de encarregou de arranjar outros “operacionais”.

O assalto à residência em Famalicão, no distrito de Braga, ocorreu na noite de 19 de novembro de 2019, tendo o elemento masculino do casal sido agredido com “inúmeros” socos e pontapés em várias partes do corpo, após o que os suspeitos lhe colocaram uma braçadeira de plástico e o ameaçaram com uma pistola, para o obrigarem a dar a combinação do cofre.

A mulher foi igualmente manietada com uma braçadeira elástica.

Do interior do cofre, os arguidos retiraram cerca de 15.800 euros, além de canetas e esferográficas, moedas de coleção, peças de arte sacra e três relógios, no valor total de 42 mil euros.

Consumado o assalto, fecharam o casal na casa de banho.

O advogado arguido, residente na Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, foi condenado a cinco anos e 10 meses de prisão, como instigador de dois crimes de roubo.

Os arguidos têm ainda de pagar 15 mil euros às vítimas.

Segundo o acórdão, o advogado sabia que o casal de Ribeirão guardava em casa dinheiro, artigos de joalharia e relógios valiosos, e “formulou o propósito de deles se apoderar, com recurso à violência física se a tanto fosse necessário”.

Para execução do plano, contactou um outro arguido, que por sua vez de encarregou de arranjar outros “operacionais”.

O assalto à residência em Famalicão, no distrito de Braga, ocorreu na noite de 19 de novembro de 2019, tendo o elemento masculino do casal sido agredido com “inúmeros” socos e pontapés em várias partes do corpo, após o que os suspeitos lhe colocaram uma braçadeira de plástico e o ameaçaram com uma pistola, para o obrigarem a dar a combinação do cofre.

A mulher foi igualmente manietada com uma braçadeira elástica.

Do interior do cofre, os arguidos retiraram cerca de 15.800 euros, além de canetas e esferográficas, moedas de coleção, peças de arte sacra e três relógios, no valor total de 42 mil euros.

Consumado o assalto, fecharam o casal na casa de banho.

Deixa o teu comentário