Braga, sábado

Águas do Alto Minho dá descontos com fatura eletrónica e débito direto

Regional

17 Fevereiro 2021

Lusa

A empresa de gestão das redes de abastecimento de água em baixa e de saneamento Águas do Alto Minho (AdAM) iniciou hoje uma campanha que prevê uma redução na conta da água a quem aderir à fatura eletrónica".

A empresa de gestão das redes de abastecimento de água em baixa e de saneamento Águas do Alto Minho (AdAM) iniciou hoje uma “campanha que prevê uma redução na conta da água a quem aderir à fatura eletrónica".

Em comunicado hoje enviado às redações, a AdAM adiantou que a campanha "Poupe no ambiente e na água" inclui, além da adesão à fatura eletrónica, o débito direto e a renovação dos dados dos consumidores.

"Esta campanha prevê a redução do valor correspondente a 1.000 litros de água por mês, durante um ano, a todos os clientes que aderirem à fatura eletrónica e ao débito direto. Este benefício será automaticamente estendido a todos os clientes que já tenham aderido a estes serviços. Da mesma forma, quem atualizar os seus dados poderá também usufruir de uma redução do valor correspondente a 1.000 litros de água por mês, durante dois meses", especifica a nota.

Segundo Carlos Martins, presidente do conselho e administração da AdAM, citado no documento, "esta campanha tem dois objetivos principais: incentivar à adesão a serviços como o da fatura eletrónica e do débito direto, e ao mesmo tempo promover a descarbonização, evitando a impressão de faturas em papel e as deslocações com a entrega de correspondência".

"Por outro lado, como ainda temos alguns clientes com dados incorretos, pela antiguidade dos contratos, aproveitamos este momento para incentivar a renovação dos dados desses clientes no nosso sistema. São medidas de apoio aos nossos clientes, mas que irão permitir continuar a melhorar o serviço prestado pela AdAM, que pretende ser uma referência pela excelência no setor e nos seus serviços", especificou.

A Águas do Alto Minho refere que "nesta campanha que existem ainda descontos para famílias numerosas, tarifas e apoios sociais de cada município parceiro, que podem ser conhecidos no seu ‘site' de Internet".

A AdAM é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% pelos municípios de Arcos de Valdevez (PSD), Caminha (PS), Paredes de Coura (PS), Ponte de Lima (CDS-PP), Valença (PSD), Viana do Castelo (PS) e Vila Nova de Cerveira (Movimento independente PenCe - Pensar Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito - Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) - reprovaram a constituição daquela parceria.

A nova empresa começou a operar em janeiro de 2020, "dimensionada para fornecer mais de nove milhões de metros cúbicos de água potável, por ano, e para recolher e tratar mais de seis milhões de metros cúbicos de água residual, por ano, a cerca de 70 mil clientes".

Em abril de 2020, a empresa suspendeu a faturação depois de terem sido detetados erros de faturação que afetaram 15 mil consumidores.

A constituição tem sido contestada por vários partidos e pela população de alguns concelhos, que se queixam do aumento "exponencial" das tarifas e do "mau" funcionamento dos serviços, e que reclamam a reversão da criação da empresa e a devolução da gestão das redes de abastecimento de água em baixa e de saneamento a cada um dos municípios.

Em janeiro, a AdAM iniciou a regularização dos consumos não faturados em 2020, na sequência de erros que afetaram 15 mil consumidores.

Na altura, explicou que os consumidores podem regularizar os consumos "na totalidade, pelos canais de pagamento usuais, ou de forma fracionada, bastando não realizar a liquidação imediata".

Deixa o teu comentário