Braga, sexta-feira

Aline Frazão na estreia de ciclo musical inspirado na arte de museu de Guimarães

Diversos

04 Julho 2019

Lusa

A cantora angolana Aline Frazão abre no dia 20, em Guimarães, um novo ciclo de concertos que quer pôr as músicas do mundo em diálogo com as coleções de arte de um museu da cidade, foi hoje divulgado.

De acordo com a Capivara Azul – Associação Cultural, promotora do evento Terra, Aline Frazão abre a programação de um conjunto de espetáculos musicais que tem como “inspiração” as “peças de arte africana, chinesa antiga e pré-colombiana reunidas por José de Guimarães e expostas” no museu do Centro Internacional de Artes José de Guimarães (CIAJG), em Guimarães, no distrito de Braga.
 

O ciclo musical prolonga-se até novembro e inclui as atuações de Otim Alpha “em estreia absoluta em Portugal” e de Zulu Zulo, acrescenta a associação.
 

Quanto a Aline Frazão, a cantora e compositora angolana atua no CIAJG no dia 20 às 21:30, na companhia do trio composto por Johannes Krieger (trompete e ugelhorn), Mayó (baixo) e Ndu (percursão).
 

A associação lembra que na música de Aline Frazão “cabe certamente o semba, mas também a morna de Cabo Verde e a bossa do Brasil, num cruzamento que dá a esta compositora um lugar particular”.
 

“A escolha de Aline Frazão deve-se precisamente ao facto de a artista ser de Angola e ter sido nesse país que José de Guimarães iniciou a sua carreira como artista plástico reconhecido internacionalmente”, justifica.
 

A 28 de setembro, o palco pertence a Otim Alpha, um projeto que “pegou na música tradicional do Norte do Uganda, o Acholi, transformando-a num novo género, uma versão hiper-frenética e eletrónica, crismada como Acholitronix”.
 

Já em novembro, no dia 23, o Terra recebe os Zulu Zulu, uma banda baseada em Palma de Maiorca, Espanha que, apesar de criar a partir da Europa, o faz “com o olhar a apontar outras latitudes, do Mediterrâneo a África”.
 

“Criaram um universo musical próprio e também uma iconografia que os distingue, que é quase teriantrópica”, observa a Capivara Azul.
 

Antes do concerto, os Zulo Zulo vão passar uma semana “em residência artística no Centro de Criação de Candoso, preparando novo material que será estreado em Guimarães”.
 

O ciclo Terra é uma organização da Capivara Azul – Associação Cultural, com o apoio do Município de Guimarães e da Direção Regional de Cultura do Norte, e coprodução da cooperativa A Oficina, entidade gestora do Centro Internacional das Artes José de Guimarães.