Braga, quarta-feira

Arcebispo dedica medalha de honra a padres e leigos

Regional

11 Janeiro 2020

Redação

Medalha de Honra do Município de Esposende foi ontem entregue ao arcebispo primaz que a dedicou aos padres e leigos que estão no terreno.

O arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, dedicou a medalha de honra com que ontem foi condecorado pelo Município de Esposende aos padres e aos leigos que todos os dias trabalham no arciprestado.


“É nestas boas mãos que deve estar esta condecoração” afirmou D. Jorge Ortiga no momento em que recebeu a medalha de honra do Município que não lhe foi entregue no Dia do Concelho, a 19 de Agosto, por impossibilidade de estar presente.
 

O arcebispo assumiu um “certo desconforto” pela distinção por considerar que o trabalho que tem procurado desenvolver “não merece gratificação”.
 

D. Jorge Ortiga encara a medalha de honra que ontem recebeu como “um compromisso de continuar a trabalhar pela causa do bem comum do concelho de Esposende e do arciprestado onde se integra”.


Foi este sentido de “obrigado” que o arcebispo atribuiu à condecoração municipal, sentindo- -se ainda mais “ligado a este povo para viver com ele os momentos bons e maus”, envolvendo-se “na causa do bem-estar desta terra”.


D. Jorge Ortiga realçou o momento particular em que a condecoração acontece já que estão prestes a iniciar-se as visitas pastorais no arciprestado de Esposende.


Num momento de reunião das comunidades paroquiais, o arcebispo primaz desafia os cristãos a colocarem-se na “via de saída”.
 

Com este desafio, D. Jorge Ortiga propõe-se concretizar o que o Papa Francisco tem vindo a pedir aos cristãos: que vão ao encontro dos mais necessitados e dos problemas sociais.


O prelado bracarense acredita que o desafio mais profundo da Igreja é despertar a vocação dos leigos e lembra que “a Igreja anuncia uma boa nova, mas ela deve frutificar fora dos edifícios da Igreja, nos locais de trabalho e noutros espaços da vida em comunidade”.


D. Jorge Ortiga sustenta que “hoje, a fé cristã tem que chegar à política, à economia, à saúde, às escolas e chega por intermédio de pessoas concretas, através da sua experiência de fé, que sentem a necessidade de construir uma sociedade de valores e de humanismo”.
 

“Que esta medalha leve pelo menos alguns a sair da sua própria fé, fazendo-a frutificar noutros ambientes” apelou o arcebispo primaz.
 

Igreja tem papel essencial em vários domínios
 

A condecoração do arcebispo primaz, D. Jorge Ortiga, com a medalha de honra do Município de Esposende “deixa mais honrado o próprio município do que o homenageado” afirmou ontem o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.


O edil esposendense falava na cerimónia de entrega da medalha de honra do Município que ontem lotou o salão nobre dos Paços do Concelho.


Benjamim Pereira sublinhou que a medalha de honra é a condecoração maior que o município pode atribuir.
 

A escolha de D. Jorge Ortiga mereceu a unanimidade do executivo municipal e teve em consideração as qualidades pessoais e o percurso inspirador do agora arcebispo primaz.


O presidente da Câmara aludiu à matriz religiosa de Portugal desde a sua fundação, apesar da Constituição da República consagrar um Estado laico.


A organização do território também muito na organização da própria Igreja, nomeadamente nas paróquias.
 

Benjamim Pereira referiu-se ainda ao papel da Igreja na dinamização da cultura e na formação de homens e mulheres, na sua componente educativa, sem descurar o papel fundamental de transmissão de valores. O apoio social aos mais frágeis e desportegidos é outra vertente da Igreja, através das misericórdias, missionários e outras instituições.


A Igreja é também indissociável do poder político já que ambos trabalham pelo bem comum, realçou o edil de Esposende que apontou D. Jorge Ortiga como “uma figura que perdurará no tempo” que está a terminar um ciclo, sustentando que “as homenagens devem ser feitas na hora certa”.

Deixa o teu comentário