Braga, sexta-feira

Avenida de S. Martinho inaugurada com desculpas e agradecimentos

Regional

14 Junho 2021

José Paulo Silva José Paulo Silva

Gandra inaugurou ontem a requalificação da entrada principal na freguesia. Há muito reclamada, a obra sofreu atrasos significativos que os autarcas locais e o presidente da Câmara lamentaram.

Agradecimento e desculpa foram as palavras mais repetidas ontem na cerimónia de inauguração da Avenida de S.?Martinho, na freguesia de Gandra, empreitada de cerca de um milhão de euros, iniciada em Janeiro de 2017.

A segunda fase da obra sofreu atrasos significativos por culpa do empreiteiro, que acabou por entrar em insolvência, obrigando a Câmara Municipal de Esposende a lançar um segundo concurso público, em Março do ano passado, para a concluir. “Viemos aqui mais para vos agradecer e pedir desculpa”, declarou o presidente da Câmara Municipal, após a benção e descerramento da placa que assinala a inauguração da principal entrada na freguesia de Gandra. “Não é normal pedir desculpas. Sou o maior responsável pelo que aqui se passou e estou a dar a cara perante vós para reiterar o pedido de desculpas”, acrescentou Benjamim Pereira, alegando que o Município foi obrigado a cumprir preceitos legais para rescindir o contrato com o empreiteiro que ganhou o concurso público da obra, entrando depois em processo de insolvência.

Antes do edil, também o tesoureiro e o presidente da União de Freguesias de Esposende, Marinhas e Gandra pediram desculpa aos residentes pelos incómodos que a paragem das obras provocou, agradecendo a cedência de terrenos para o alargamento da Avenida que foi classificada como “porta de entrada que deve orgulhar todos os gandrenses”.
Segundo o presidente da União de Freguesias, Aurélio Neiva, a requalificação e alargamento da Avenida de S. Martinho, uma obra há muito reivindicada, “terá sido o maior investimento da Câmara Municipal em Gandra”.

O tesoureiro da autarquia, António Neves, destacou que a Câmara Municipal de Esposende assumiu a totalidade do investimento, já que o projecto não beneficiou de qualquer comparticipação de fundos comunitários.

“Se a obra não foi feita antes foi porque teve de o ser só com financiamento do Município”, referiu o presidente da Câmara Municipal, que aproveitou a deslocação a Gandra para se comprometer com o alargamento do cemitério e a construção de uma casa mortuária.

“Esforço rebobrado” com governos do PS e a “maldicência”

O social democrata Benjamim Pereira salientou ontem que em seis dos mais de sete anos que leva como presidente da Câmara Municipal de Esposende teve de ligar com governos do Partido Socialista, facto que, na sua opinião, o obriga a “um esforço rebobrado” para a concretização de alguns projectos e investimentos no concelho.

“Há duas semanas pedi uma reunião ao ministro do?Mar e ainda não obtive resposta”, apontou o autarca, lembrando que o desassoreamento da barra de Esposende é um dos dossiês cuja resolução depende da administração central.

Na cerimónia de inauguração da Avenida de S.Martinho, em Gandra, Benjamim Pereira, dirigiu-se também a alguns dos seus adversários políticos locais, criticando aqueles que “passam o tempo a fazer queixas e a colocar entraves” à acção municipal, não apresentando propostas alternativas na Câmara e na Assembleia Municipal.

“Chateia-me a falta de ética na política”, desabafou o edil esposendense, lamentando “o mundo de maldicência na política”.

Antevendo porventura aquele que será o clima pré-eleitoral que se avizinha, o presidente da Câmara Municipal e recandidato pelo PSD declarou: “Ninguém nos há-de parar, mesmo aqueles que fazem queixas reiteradas para a Polícia Judiciária”.

Deixa o teu comentário