Braga, sexta-feira

Câmara apoia IPVC em Centro de Investigação e Desenvolvimento

Regional

15 Junho 2021

Rui Serapicos Rui Serapicos

Assinado protocolo de 350 mil euros para integrar, num edifício a construir, laboratórios e investigadores que se encontram dispersos pela cidade.

No ‘campus’ da Praia Norte, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) vai instalar um Centro de Investigação e Desenvolvimento. A autarquia apoia o investimento com uma verba de 350 mil euros, tendo sido ontem formalizado o protocolo. Com a presença do secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, os presidentes do IPVC, Carlos Rodrigues, e da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, assinaram o acordo que pretende agregar competências e estabelecer sinergias.

É propósito do novo edifício, que vai ocupar uma área útil prevista de cerca de 5000 metros quadrados, integrar numa única infraestrutura, dedicada ao desenvolvimento de investigação, um conjunto de unidades de investigação do IPVC recentemente aprovadas pela tutela, além de laboratórios de carácter aplicado que presentemente funcionam dispersos pelas três escolas do IPVC situadas na cidade de Viana do Castelo.

Pretende-se ainda criar sinergias entre investigadores seniores e jovens investigadores e constituir em Viana do Castelo um polo de atracção e de suporte para empresas de base tecnológica e desenvolver projectos e testes no âmbito das energias renováveis oceânicas e robótica submarina.

No auditório Professor Lima de Carvalho, onde teve lugar a assinatura do protocolo, Carlos Rodrigues, o presidente do IPVC lembrou a evolução daquele estebelecimento nos anos mais recentes em número de alunos, de 4500 (em 2017) para os actuais 5300 (em 2021), mas também o crescimento do corpo docente, com cada vez mais doutorados e publicações de artigos científicos.

Face a este crescimento, frisou a “falta de espaços” para optimizar a capacidade de fazer mais e por isso agradeceu à Câmara Municipal de Viana do Castelo “a ajuda importante” para a região e para o território.

José Maria Costa, o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, justificou a aposta da autarquia na agenda de inovação e desenvolvimento tendo em vista a capacitação de recursos.

O autarca, que por motivos de limitação de mandatos já não vai a votos nas próximas eleições , vincou objectivos de “cada vez mais se fazerem transferências de conhecimentos para as empresas, expostar mais e exportar com mais valor acrescentado”.

José Maria Costa, que é também o presidente em exercício da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, reconheceu que as escolas de ensino superior “vivem com dificuldades” e vincou que procura colocar este território “na primeira linha” da captação de fundos no âmbito do Portugal 2030 e do PRR, Plano de Recuperação e Resiliência, lembrando que no Alto Minho uma parte relevante dos investimentos são na área do emprego.

Costa fez a apologia de dar mais atenção à capacidade de se estabelecerem as parcerias de desenvolvimento e de aproveitar bem os fundos comunitários.

A concluir a sessão, à qual assistiram docentes do IPVC, usou da palavra o secretário de Estado, que lembrou a sua qualidade de ex-responsável pelo Instituto Politécnico de Bragança para ter a compreensão da importância que estes estabelecimentos têm para os territórios onde estão implantados.

“É a maior rede de coesão para as regiões periféricas”, afirmou, preconizando uma distribuição justa de recursos.

Deixa o teu comentário