Braga, quinta-feira

Câmara de Guimarães aprovou Orçamento de 115,8 ME, oposição votou contra

Regional

16 Novembro 2020

Redação

A Câmara de Guimarães aprovou hoje o Plano e Orçamento para 2021, no valor de 115,8 milhões de euros, mas a oposição votou contra, por considerar que se trata de um documento de mera campanha eleitoral.

A Câmara de Guimarães aprovou hoje o Plano e Orçamento para 2021, no valor de 115,8 milhões de euros, mas a oposição votou contra, por considerar que se trata de “um documento de mera campanha eleitoral”.

Em comunicado, o presidente da Câmara, Domingos Bragança (PS), refere que a “prioridade absoluta” para 2021 é “atender às necessidades de prevenção e de proteção de toda a comunidade vimaranense em face da infeção da covid-19, bem como para o reforço dos apoios sociais a todos os que deles precisem”.

Para o autarca, as opções vertidas no Plano e Orçamento “refletem um mundo que hoje vive em pandemia, uma situação que trouxe incerteza às nossas vidas pessoais e coletivas”.

“Uma incerteza que também se coloca a este Plano e Orçamento quanto aos seus valores e às diversas dotações de receita e despesa”, sublinha.

Os vereadores da coligação Juntos por Guimarães, que engloba o PSD e o CDS, têm uma visão diametralmente diferente, considerando que o Plano e Orçamento “faz tábua rasa da preocupação central, que deveria ser a pandemia de covid-19”.

“A maioria diz que a pandemia é a prioridade absoluta, mas a verdade é que se olha para o Plano e não se vê uma única medida estruturante e diferenciadora”, disse o vereador social-democrata Bruno Fernandes.

Domingos Bragança contrapõe com o “reforço” das dotações orçamentais, para dar resposta às consequências socioeconómicas da covid-19.

“Não previmos nenhum aumento de taxas e licenças, nem de impostos municipais. Descemos a taxa do IMI de 0,35% para 0,33 %, um percentual próximo do limite mínimo deste imposto, atendendo à situação de dificuldade deste tempo de pandemia”, frisou.

O Plano e Orçamento para 2021 contempla ainda um conjunto de obras que beneficiam de apoio comunitário, na ordem dos 14 milhões de euros, como a reabilitação do Teatro Jordão e Garagem Avenida, das ruas D. João I e Caldeiroa e das escolas do concelho.

O município destaca também as obras de requalificação da rede viária do concelho, para as quais foi contraído um empréstimo bancário de 12 milhões de euros.

Para a oposição, o Plano e Orçamento mostra que a maioria socialista “só se preocupa com obras de mandato”, consubstanciando, assim, “uma mera agenda de campanha eleitoral”.

O caminho, disse Bruno Fernandes, deveria ser a redução de impostos, o apoio à restauração, o aumento das transferências para as juntas de freguesia e o apoio ao desporto.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho