Braga, sexta-feira

Casa das Artes de Famalicão retoma "cultura presencial" a partir de 22 de abril

Diversos

30 Março 2021

Lusa

A cultura presencial estará de volta à Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão a partir de 22 de abril, com teatro, dança e cinema, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Casa das Artes sublinha que, no entanto, a primeira fase do desconfinamento cultural se fará online, com o acesso às atividades pelos canais de transmissão via redes sociais.
 

Em termos presenciais, para 22 de abril está marcada a apresentação da peça “Eu nunca vi um helicóptero explodir”, de Catarina Ferreira de Almeida e Joel Neto, foi hoje anunciado.
 

A peça, que cruza teatro, cinema, rádio, televisão e internet, subirá ao palco também nos dias 23 e 24 de abril, em horários “sujeitos a confirmação”.
 

A encenação é de Luísa Pinto, com interpretação de António Durães, Filipa Guedes, Luísa Pinto, Rui de Noronha Ozório, Constança Antunes e do jornalista Fernando Alves.
 

Também no dia 22, regressarão as sessões de cinema, em parceria com o Cineclube de Joane, com a projeção do filme “Museu”, de Alonso Ruizpalacios.
 

No dia 29 de abril, será exibido “Listen”, Ana Rocha de Sousa.
 

Nos dias 29 e 30 de abril, a Casa das Artes apresenta a estreia de IntraNzyt 0.0, a primeira produção da companhia de Intrazyt, sediada em Famalicão mas de âmbito europeu.
 

Criada com o objetivo de apoiar bailarinos recém-formados, oferecendo-lhes uma plataforma onde se possam concentrar em desenvolver o seu talento, num ambiente profissionalizante, a companhia tem neste momento no seu elenco bailarinos de diferentes territórios de Portugal, Itália, França e Japão.
 

Antes disso, no formato online, a Casa das Artes apresentará a peça de teatro “Noite de Primavera”, de Luís Mestre.
 

A interpretação é de Ana Moreira (atriz e realizadora), Carlos Silva (coreógrafo e bailarino), Tânia Dinis (performer e artista visual) e Zeca (cantora e fadista).
 

No dia 17, e também online, haverá música, com Álvaro Cortez, na percussão, e Isabel Romero, ao piano.

Deixa o teu comentário