Braga, quarta-feira

CCDR: Autarca de Braga quer voz forte que capte para o Norte o que o Norte merece

Regional

05 Junho 2020

Redação

O presidente da Câmara de Braga defendeu hoje que o próximo líder da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) terá de ter uma voz forte para captar para o Norte o que Norte precisa e merece.

O presidente da Câmara de Braga defendeu hoje que o próximo líder da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) terá de ter “uma voz forte” para “captar para o Norte o que Norte precisa e merece”.

Para Ricardo Rio, eleito pela coligação PSD/CDS/PPM, a eleição indireta do presidente das CCDR “é uma boa solução”, embora “o ideal fosse um processo mais alargado, por voto popular, num processo efetivo de regionalização”.

“A eleição indireta já confere uma outra legitimidade aos presidentes da CCRD e espero que o próximo representante do Norte consiga ter uma voz forte, capaz de captar para o Norte o que o Norte precisa e merece”, afirmou.

O Conselho de Ministros aprovou, na quinta-feira, o decreto-lei que consagra a eleição indireta dos presidentes da CCDR pelos autarcas e eleitos locais da respetiva área territorial.

Para o autarca de Braga e também presidente da Comunidade Intermunicipal do Cávado, o Norte precisa dessa voz forte, sobretudo numa altura em que estão para chegar os fundos da União Europeia para fazer face à pandemia da covid-19.

“É muito importante que a região saiba captar e aproveitar esses fundos”, disse Ricardo Rio, lembrando ainda que no horizonte está a discussão do próximo quadro de programação de fundos europeus.

Em relação ao perfil do próximo líder da CCDR-N, Rio disse que não terá necessariamente de ser aluem oriundo da política, embora o cargo tenha “óbvia natureza política”.

“O que tem de ser alguém com capacidade de agregar os agentes da região, com uma visão integrada para o Norte e com capacidade de interlocução”, defendeu.

O autarca de Braga disse ainda que “o pior que podia acontecer” era que o futuro líder da CCDR-N fosse considerado “um representante de fação, seja política, académica ou qualquer outra”.

O decreto-lei aprovado na quinta-feira pelo Conselho de Ministros consagra a eleição indireta dos respetivos presidentes por um colégio eleitoral composto pelos presidentes e vereadores das câmaras municipais e pelos presidentes e membros das assembleias municipais (incluindo os presidentes de junta de freguesia) da respetiva área territorial.

O propósito é garantir uma maior representatividade de todos os eleitos locais e uma melhor administração ao nível regional, reforçando a legitimidade democrática e a transparência ao nível da governação regional.

A eleição será fixada para o mês de setembro.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho