Braga,

CGTP diz que desemprego real é superior às estatísticas do IEFP

Nacional

20 Julho 2020

Redação

A líder da CGTP afirmou hoje que o "desemprego real é muito superior" aos números revelados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), apontando ser necessário "mudar de política" e não "dar ao capital aquilo que ele quer".

A líder da CGTP afirmou hoje que o "desemprego real é muito superior" aos números revelados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), apontando ser necessário "mudar de política" e não "dar ao capital aquilo que ele quer".

Em Braga, à margem de uma manifestação para assinalar o dia de greve dos trabalhadores gerais do Hospital de Braga, a secretária-geral da intersindical, Isabel Camarinha, apontou como caminho o "combate" à precariedade e a necessidade de maior fiscalização.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 36,4% em junho em termos homólogos e recuou 0,6% face a maio, segundo dados divulgados hoje pelo IEFP.

No final de junho, estavam registados nos serviços de emprego do continente e regiões autónomas 406.665 desempregados, número que representa 74,8% de um total de 543.662 pedidos de emprego.

"A CGTP tem vindo a alertar para o crescimento do desemprego, nomeadamente neste surto pandémico. Cem mil [novos desempregados] do ponto de vista oficial, destes 60% tinham um vinculo precário", afirmou Isabel Camarinha.

A sindicalista realçou que o que "os dados mostram é que o número de ocupados baixou muito neste período [pandémico] e não estão na taxa de desemprego".

Segundo a líder sindical, "há um desemprego real que é muito superior ao que as estatísticas mostram”, pelo que defendeu ser” necessária uma mudança de medidas".

Entre essas medidas, apontou, "a necessidade de combate aos vínculos precários, mais fiscalização, porque a maioria daqueles trabalhadores ocupam postos de trabalho permanentes e foram descartados pelas empresas nesta situação" de pandemia.

"Esta taxa de desemprego mostra que são necessárias medidas como a proibição de despedimentos e garantia de trabalho. Precisamos de uma mudança da política que tem sido aplicada", salientou.

"Que a opção seja pelos trabalhadores, pelo desenvolvimento do país e não continuar a dar ao capital aquilo que eles querem", apelou.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho