Braga, sábado

Comerciantes esperam receber mais clientes e aumentar os negócios em 2021

Regional

03 Janeiro 2021

Redação

Logistas e comerciantes do centro da cidade queixam-se da falta de clientes e das restrições causadas pela pandemia. Ainda assim mantêm a esperança de que o próximo ano possa permitir o aumento do volume de negócios.

Mais clientes a entrar pela porta a dentro e a comprar é o desejo mais manifestado pelos empresários e comerciantes do centro da cidade de Braga.

Muitos dos espaços comerciais permaneceram de portas fechadas durante vários meses em 2020 e isso reflectiu-se nos respectivos volumes de negócios. Agora, há que cativar os clientes e levá-los a consumir mais no comércio tradicional.

Manuel Coroas, um dos responsáveis da Casa Machado (uma das lojas mais antigas da Rua do Souto) disse ao ‘Correio do Minho’ que “a saúde é o mais importante em 2021” , mas há que ter fé “que a coisa (os negócios) vai para a frente e que tudo vai melhorar. Temos que ter esperança”.

Raúl Araújo, gerente de uma loja da mesma rua tem confiança de que o novo ano “vai ser melhor” do que o anterior, mas lembra que, por enquanto, o volume de negócios é inferior ao registado no início de 2020.

“Este ano o negócio está a começar pior. No ano passado, por esta altura, ou seja, no início do ano, já tínhamos feito mais negócios do que os que estamos a fazer agora. Mas vamos confiar que as coisas vão melhorar”, considerou Raúl Araújo.

O mesmo espera o empresário José Braga.

“Tenho uma empresa familiar e o ano de 2020 foi uma desgraça. Espero que 2021 traga mais trabalho para todos e mais negócios para as empresas.”

Abel Ferreira, funcionário de uma loja de pronto a vestir masculino, destacou que o movimento baixou bastante antes do fim do ano e por isso espera que o volume de negócios aumente em 2021.

“Em 2020 estivemos quase quatro meses de portas fechadas, por causa da pandemia. A partir de Junho notamos um ligeiro aumento das vendas, mas no fim do ano tivemos uma nova redução. O facto de termos que encerrar aos fins de semana à tarde também foi prejudicial. As pessoas aproveitam as tardes de sábado e domingo para passearem no centro e acabam sempre por comprar alguma coisa.

Espero que em 2021 a pandemia passe depressa para que os negócios possam voltar ao normal”, desejou Abel Ferreira.

Albertina Santos é lojista na Rua dos Capelistas e também desejou ver mais pessoas no interior da loja no próximo ano. “Há muita gente que entra, mas quase sempre só para ver os artigos. São muito poucos os que compram mais do que uma peça de roupa. Nota-se que as pessoas andam sem dinheiro. Talvez isso melhore em 2021”, frisou Albertina Santos.

Deixa o teu comentário