Braga, quinta-feira

Coordenador da task force admite perigo de reforço de movimentos antivacinas

Nacional

16 Março 2021

Lusa

A suspensão temporária da administração da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca e Universidade de Oxford pode levantar o perigo de reforçar movimentos antivacinas em Portugal, reconheceu hoje o coordenador da task force.

Em entrevista à agência Lusa será divulgada na íntegra na quinta-feira, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo assumiu não ter conhecimento até ao momento da recusa de pessoas em serem vacinadas, independentemente do fabricante, e considerou que se “as que há, porventura, são residuais”. No entanto, não descartou que as dúvidas agora existentes em torno desta vacina possam ter um efeito de contágio sobre o plano de vacinação.
 

“Há sempre esse perigo. Claro que temos de temer a criação de dúvidas no espírito das pessoas que faça que possam ter um maior receio no processo de vacinação como um todo e, em especial, de uma determinada vacina”, disse o responsável pelo plano, sem manifestar reservas para qual dos “dois pratos da balança” pende a sua análise.
 

“Num prato existem algumas dúvidas que devem ser esclarecidas, mas do outro há um benefício extraordinário e esse é claro: a vacinação salva milhares de pessoas. Portanto, do outro lado temos uma dúvida e do outro lado temos uma vacina que salva milhares de pessoas. Quem vai tomar a vacina deve ponderar se prefere estar do lado em que há milhares de pessoas a serem salvas ou de uma dúvida que, se calhar, é uma dúvida que nem tem relação causa-efeito”, sublinhou.
 

O país tinha inicialmente uma previsão de receção de 4,2 milhões de vacinas da AstraZeneca no segundo trimestre, que foi entretanto revista em baixa para 1,4 milhões e cuja concretização “ainda assim está a ser discutida”, segundo Henrique Gouveia e Melo. Apesar das dúvidas em torno de um prazo para o fim da suspensão da administração, o coordenador da ‘task force’ considerou que a situação vai passar ao lado do atual desconfinamento.
 

“Não creio que vá comprometer o processo de desconfinamento. De qualquer forma, a proteção dos professores [poder ser] uma semana atrasada, pode ter algum impacto, mas não julgo que seja muito significativo. Não vai comprometer o desconfinamento, não me parece que haja essa relação de causa-efeito”, notou, aludindo à inoculação com esta vacina de docentes e auxiliares do pré-escolar e 1.º ciclo que estava agendada para este fim de semana.
 

Portugal seguiu na segunda-feira o exemplo de mais de uma dezena de países, entre os quais Espanha, Itália, França e Alemanha, e suspendeu “por precaução” a administração da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca. A decisão foi anunciada pela DGS e pelo Infarmed e surgiu após vários países europeus também já terem suspendido a administração desta vacina devido a relatos de aparecimento de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas.
 

Em Portugal, morreram 16.707 pessoas dos 814.897 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Deixa o teu comentário