Braga, sábado

Covid-19: Munícipes de Cerveira e Tomiño prejudicados com controlo de fronteiras - estudo

Regional

04 Junho 2020

Redação

Um inquérito promovido pelas provedoras da eurocidade Cerveira-Tomiño, que recolheu 250 testemunhos, constatou que quase metade dos inquiridos disse sentir o impacto da reposição de fronteiras entre Portugal e Espanha devido à covid-19, foi hoje divulgado.

Um inquérito promovido pelas provedoras da eurocidade Cerveira-Tomiño, que recolheu 250 testemunhos, constatou que quase metade dos inquiridos disse sentir o impacto da reposição de fronteiras entre Portugal e Espanha devido à covid-19, foi hoje divulgado.

De acordo com as conclusões daquele estudo, hoje enviado à agência Lusa, as provedoras destacam que, "em mais de 30 anos, nunca a vida quotidiana dos habitantes do território transfronteiriço galego-português foi tão prejudicada como nestes últimos meses, com uma redução para metade de toda a sua dinâmica económico-social".

"Esta realidade é corroborada com a partilha, em apenas quatro dias, de mais de duas centenas de histórias e experiências vividas por cidadãos de ambas as margens do rio Minho, em resposta a um desafio lançado pela provedoria da eurocidade", frisam Maria de Lurdes Cunha (Vila Nova de Cerveira) e Zara Pousa (Tomiño).

A eurocidade entre Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, e Tomiño, na Galiza, foi constituída em outubro de 2018.

O controlo das fronteiras terrestres com Espanha está a ser feito desde as 23:00 do dia 16 de março em nove pontos de passagem autorizada devido à pandemia de covid-19.

Atualmente, no distrito de Viana do Castelo, a ponte nova sobre o rio Minho, que liga as cidades de Valença e Tui, é o único ponto de passagem autorizado para trabalhadores transfronteiriços e transporte de mercadorias.

Na terça-feira, o ministro da Administração Interna admitiu manter encerradas as fronteiras terrestres e aérea com Espanha, enquanto existir uma quarentena interna no país vizinho.

Segundo as duas provedoras, "a alteração da atividade laboral para os trabalhadores transfronteiriços, ao nível de distância, tempo e custos, representa 45% dos 250 testemunhos através de um questionário publicado na página oficial da eurocidade Cerveira-Tomiño, no Facebook".

O inquérito, que visou "avaliar e compilar o impacto casuístico de mais de dois meses do fecho de fronteiras, provocado pela crise sanitária da covid-19, revelou que "entre os principais prejuízos referidos destaca-se a alteração da atividade laboral para os trabalhadores transfronteiriços desta raia minhota".

"Devido à limitação a um único ponto de passagem na fronteira de Valença e Tui, os trabalhadores veem-se obrigados a fazer centenas de quilómetros diariamente, mais horas na estrada e aumento de custos para proceder às deslocações necessárias para chegar ao posto de trabalho. Há ainda a referência para o facto de não perceberem porque é que a ponte internacional da Amizade, entre Cerveira-Tomiño, não pode constituir-se como mais um ponto de passagem, agilizando toda a pressão gerada", sustentam as duas provedoras.

O inquérito, que esteve disponível entre 28 e 31 de maio, revelou ainda que 25% dos inquiridos "evocam a impossibilidade de utilização de serviços de caráter essencial, nomeadamente de cariz educativo (escolas) ou de saúde pública (consultas médicas e veterinárias), e a indisponibilidade de usufruição de serviços ou equipamentos de âmbito desportivo, comercial ou cultural acessíveis do outro lado do rio Minho".

Já "17% abordam os efeitos económicos negativos, quer pela limitação das relações laborais e comerciais, com uma redução até 70% de clientes, perda de empregos ou dificuldade de fornecimento de materiais para determinados negócios, como pelos custos extraordinários derivados do distanciamento até ao único ponto aberto ou pela necessidade de alugar residências provisionais".

Há ainda "cidadãos transfronteiriços com graves dificuldades para manter relações e cuidados familiares (famílias separadas, idosos sem a retaguarda familiar, entre outras)".

Segundo as duas provedoras, "o objetivo é que os resultados deste inquérito, aliados a outros documentos de análise como o Estudo do Impacto Socioeconómico da Pandemia da covid-19 no território do rio Minho transfronteiriço, realizado pela Universidade de Vigo para o Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho e para a província de Pontevedra, possam ser considerados pelas autoridades locais, regionais, estatais e europeias para diminuir com caráter imediato estes prejuízos".

A iniciativa pretende ainda "promover medidas de apoio e recuperação específicas para o território, e adotar mecanismos de funcionamento singular para as eurocidades que evitem no futuro situações prejudiciais como as vividas nesta crise".

Portugal contabiliza pelo menos 1.447 mortos associados à covid-19 em 33.261 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho