Braga, sexta-feira

Covid-19: Portugal com mais três mortos e 367 novos casos confirmados

Nacional

24 Junho 2020

Redação

Portugal regista hoje mais três mortos relacionados com a covid-19 do que na terça-feira e mais 367 infetados, a maioria na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Portugal regista hoje mais três mortos relacionados com a covid-19 do que na terça-feira e mais 367 infetados, a maioria na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Os dados da DGS indicam 1.543 mortes relacionadas com a covid-19 e 40.104 casos confirmados desde o início da pandemia.

Em comparação com os dados de terça-feira, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,2%. Já os casos de infeção subiram 0,9%.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), onde se tem registado o maior número de surtos, a pandemia de covid-19 atingiu os 17.527 casos confirmados, mais 302 do que na terça-feira, o que corresponde a 82% dos novos contágios.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é agora a que tem maior número de infeções (17.527) e a segunda com maior número de óbitos (449).

O Norte regista 17.339 infeções e 814 mortos, o Centro 4.042 casos confirmados e 248 óbitos, o Algarve 15 mortos e 552 pessoas infetadas e o Alentejo dois mortos e 406 pessoas com covid-19.

Os Açores apresentam 146 casos de infeção pelo novo coronavírus SARA-Cov-2 e 15 mortes, enquanto a Madeira tem 92 pessoas infetadas e mantém-se sem qualquer óbito registado.

Do total de pessoas infetadas em Portugal, 429 estão internadas, menos 12 do que na terça-feira (-2,8%). O número de doentes internados em unidades de cuidados intensivos subiu para 73 (mais um).

Na distribuição dos casos infetados por concelhos, Lisboa é o que regista o maior número de casos (3.238), seguido por Sintra (2.370), Loures (1.707), Vila Nova de Gaia (1.628), Amadora (1.511), Porto (1.414), Matosinhos (1.292), Braga (1.256), Odivelas (1017) e Maia (950).

Os dados do relatório da DGS indicam que, do total de mortes registadas até hoje, 777 são mulheres e 766 homens.

Por faixa etária, o maior número de mortes regista-se entre as pessoas com 80 ou mais anos (1.033), seguida pela faixa entre os 70 e os 79 anos (298). Entre a população com idades compreendidas entre os 60 e 69 anos há 141 mortes.

Os dados da DGS registam ainda 49 mortes na faixa etária entre os 50 e os 59 anos, 18 entre os 40 e os 49 anos, duas entre os 30 e os 39 anos e duas na faixa etária dos 20 aos 29 anos.

Relativamente ao total de casos de infeção, os dados apontam que 22.540 são mulheres e 17.564 homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (6.720), seguida da faixa entre os 50 e os 59 anos (6.389) e das pessoas com idades compreendidas entre os 30 e os 39 anos (6.329).

Nas faixas etárias mais jovens, entre os 20 e os 29 anos, registam-se 5.790 casos e, entre os 10 e os 19 anos, 1.569.

Nas crianças até aos nove anos verificam-se 1.090 casos, precisam os dados da Direção-Geral da Saúde.

Segundo a DGS, 37% dos doentes apresentaram tosse, 28% febre, 21% dores musculares, 20% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 10% dificuldade respiratória.

A aguardar resultado laboratorial de testes estão 1.586 pessoas e em vigilância pelas autoridades de saúde estão 30.935.

Desde o dia 01 de janeiro, Portugal registou 368.967 casos suspeitos, refere o boletim, adiantando que há 26.083 pessoas dadas como recuperadas, mais 254 do que na terça-feira.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 477 mil mortos e infetou 9,2 milhões em todo o mundo.

Mais de 4,5 milhões de casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

 

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho