Braga, sexta-feira

Covid-19: Póvoa de Lanhoso avança com despistes em lares por sua responsabilidade

Regional

31 Março 2020

Lusa

A Câmara da Póvoa de Lanhoso vai avançar "por sua responsabilidade" com a realização de testes de despiste do novo coronavírus nos lares e instituições do concelho, defendendo que "não se pode esperar semanas" pelo calendário do Governo.

Em comunicado enviado à Lusa, aquela autarquia do distrito de Braga informa ter transmitido aquela decisão ao Diretor do ACES Gerês/Cabreira II, argumentando que "os povoenses não podem esperar semanas pela realização de testes de despiste da covid-19 nos lares e Instituições Privadas de Segurança Social (PSS) do concelho".
 

Segundo explica o texto, "na sequência da notícia que deu conta da intenção do Governo de aplicar testes em todos os lares nacionais, mas com um calendário alargado, a autarquia povoense, que defende há já vários dias esta medida, decidiu que não pode esperar por uma decisão tardia e avançará por sua responsabilidade com a realização dos testes".
 

A autarquia adianta que "desde sexta-feira que o presidente da câmara municipal povoense está a encetar diligências para estabelecer um acordo com um laboratório que realize de forma rápida e imediata os testes".
 

Mas, aponta o texto, "dada a dificuldade na obtenção dos reagentes, a execução dos testes não se pode realizar da forma célere e desejável".
 

"Todavia, a partir do momento que um laboratório fizer os testes, desde que antes o Governo os disponibilize, o município não irá esperar uma hora que seja para os aplicar aos utentes e funcionários dos lares e IPSS´s da Póvoa de Lanhoso", lê-se.
 

No comunicado a câmara explica que "esta é mais uma das medidas de contenção à propagação do vírus e, já nas últimas horas com a ajuda de uma empresa local, foi distribuído aos lares e IPSS equipamento de proteção individual de forma a que nada falte nesta fase crítica da pandemia".
 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 163 mil são considerados curados.
 

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.
 

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes, mais 20 do que na véspera (+14,3%), e 7.443 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.035 em relação a segunda-feira (+16,1%).
 

Dos infetados, 627 estão internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.
 

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho