Braga,

Covid-19: Póvoa de Varzim mantém dinâmica balnear mas há receios com aumento de casos

Regional

14 Agosto 2020

Lusa

O aumento de casos de covid-19 no concelho da Póvoa de Varzim, distrito do Porto, não tem sido suficiente para abalar a dinâmica da cidade como estância balnear, embora a população e visitantes admitam "alguns receios".

Na quarta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, revelou preocupação com um surto que, nas últimas semanas fez disparar o número de infetados na Póvoa de Varzim e, sobretudo, na cidade vizinha de Vila do Conde, onde foram confirmados pela autarquia local 173 casos ativos.
 

A câmara municipal poveira ainda não se pronunciou oficialmente sobre o número de pessoas infetadas no concelho, mas há quem fale, na cidade, na existência de algumas dezenas, numa situação potenciada pela proximidade geográfica, familiar e social com Vila do Conde.
 

"É natural que o surto passe de uma cidade para outra, porque convivemos e trabalhamos nos dois lados. Ainda hoje estive com familiares meus de Caxinas, e sei que há lá pessoa infetadas. Tento ter cuidado e uso sempre máscara, mas nunca se sabe", disse à agência Lusa, Armanda Silva, natural da Póvoa, enquanto passeava na marginal da cidade.
 

A professora confessou que o "assunto [do aumento de casos] tem sido falado", mas, apesar de confessar "alguns receios, não tem notado que tal impeça as pessoas de fazerem a sua vida normal.
 

"Sinto que as ruas estão mais vazia, mas já desde o início do verão, não por estes casos de que se fala agora. Parece-me que há menos pessoas a virem cá passar férias, mas ainda vemos muita gente nas praias, que não quer saber da covid", completou.
 

Na marginal da Póvoa de Varzim, o movimento continua a ser típico de época balnear e, apesar de nem todas as esplanadas estarem cheias, a cidade ainda é um destino preferencial para muitos turistas, sobretudo dos concelhos vizinhos do interior.
 

"Já tinha marcado um apartamento para as férias com a família nesta primeira quinzena [de agosto], e, apesar de se falar deste surto, não desisti. Há sempre o risco, mas tentamos ter cuidado. Não podemos estar a viver com medo", partilhou Joaquim Faria, operário em Guimarães, que usufruía de uma esplanada junto à praia.
 

Já Hugo Fernandes, que trabalha num café perto da marginal, não notou uma quebra de clientes devido aos relatos deste recente surto nas duas cidades, embora reconheça que tal tem sido tema de conversa frequente no estabelecimento.
 

"Todos os dias se fala disso, e quem vem de fora pergunta sempre se há novos casos. Na verdade, não sabemos porque não há muita informação. Dizem que são algumas dezenas, mas não é por isso que as pessoas deixam de vir", partilhou.
 

Evidente é uma quebra, em comparação com o ano anterior, em termos de clientes nos espaços de restauração e bebidas da cidade, mas que já se vem constando desde julho.
 

"Até estamos a trabalhar bem, mas é raro haver aquelas 'avalanches' de pessoas típicas do mês de agosto. Acho que os turistas não vêm devido às dificuldades económicas e não por terem medo do vírus, ou destes casos que agora se fala", analisou Hugo Fernandes.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho