Braga, segunda-feira

Covid-19: Trabalhadores transfronteiriços pedem mais passagens entre Alto Minho e Galiza

Internacional

08 Junho 2020

Redação

Um feirante de Monção, no Alto Minho, e uma cabeleireira de Salvaterra do Minho, na Galiza, pediram hoje aos governos de Portugal e Espanha mais passagens entre as duas regiões para diminuir os custos mensais em deslocações.

Um feirante de Monção, no Alto Minho, e uma cabeleireira de Salvaterra do Minho, na Galiza, pediram hoje aos governos de Portugal e Espanha mais passagens entre as duas regiões para diminuir os custos mensais em deslocações.

"Há 19 anos que tenho o meu salão de cabeleireiro em Melgaço. Até agora o meu trabalho ficava a seis minutos de casa, em Salvaterra do Minho. Agora faço o mesmo percurso em 1:30/1:40. Na semana passada demorei cinco horas a chegar ao trabalho porque na fronteira implicaram que os meus papéis não serviam", afirmou Cecília Puga.

A empresária, que falava aos jornalistas em mais uma ação de protesto promovida pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho contra a existência de um único ponto de passagem autorizado para trabalhadores transfronteiriços e transporte de mercadorias, na ponte nova sobre o rio Minho, que liga as cidades de Valença e Tui, disse que se soubesse que teria de percorrer os cerca de 100 quilómetros que tem agora de fazer por dia "nunca na vida" teria montado um negócio em Portugal.

"Simplesmente peço que me deixem trabalhar. Já sabemos que é cedo para abrir as fronteiras a todos, mas pelo menos [para] os trabalhadores transfronteiriços, deixem passar por onde sempre passaram. Se não têm meios na Guarda Civil, em Espanha, na PSP, em Portugal, ponham o Exército [a controlar a fronteira], mas deixem os trabalhadores transfronteiriços irem para os seus postos de trabalho", apelou.

No meio da ponte internacional João Verde e Amador Saavedra, que através do rio Minho liga a vila de Monção a Salvaterra do Minho, o feirante Vítor Domingues empunha o mesmo cartaz que exibia Cecília Puga e onde se lia "Deixem-me trabalhar".

O empresário de 42 anos faz as feiras de Monção, Valença e Vila Nova de Cerveira e, desde que foram repostas as fronteiras entre os dois países, vai "arejar a mercadoria para tirar o cheiro a mofo".

"Cerca de 80% dos nossos clientes são espanhóis. Num dia de feira normal podia faturar entre 300 a 400 euros. Agora, há dias em que nem me chego a estrear. Na semana passada, em Valença, que é a feira mais forte, e em 22 anos de comerciante, não me estriei, não vendi uma única peça. Foi um choque porque desanimas e vês os teus colegas desesperados", afirmou Vítor Domingues.

O presidente da Câmara de Monção, António Barbosa, disse que o "território está a definhar" com um único ponto de passagem na fronteira e que os testemunhos do feirante e da cabeleireira "são exemplos de como em tão pouco tempo se pode aniquilar uma economia local que vive da ponte".

"Por esta rua passam cerca de 10 mil viaturas ligeiras por dia. É o quarto ponto de passagem entre os dois países. Neste momento não pedimos muito mais do que sobreviver. Deixem-nos sobreviver com os nossos negócios, com as nossas famílias", afirmou o autarca social-democrata.

António Barbosa disse não haver justificação para existir, atualmente, apenas um ponto autorizado de passagem entre as duas regiões vizinhas.

"Como não é possível garantir mais pontos de passagem? Estamos a falar da sobrevivência de dois povos. Pedimos de uma vez por todas: abram mais pontos. Os meios existem. É hora de os utilizar. Se tivéssemos um evento em Braga ou no Porto, em locais com mais peso político, se calhar já haveria meios. Somos pequenos, somos poucos, mas somos humanos, somos gente com direito de viver", frisou.

António Barbosa criticou ainda as filas de trânsito que se formam em Valença para quem atravessa a ponte para Tui.

"São filas de mais duas horas para poder passar para Espanha. Isto não pode continuar a acontecer", reforçou, acompanhado dos autarcas de Melgaço, Valença, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira e Caminha.

Do lado espanhol fizeram-se representar os autarcas de Arbo, Rosal, Tui, As Neves, Tomiño, Salvaterra do Minho. O município de La Guardia não esteve representado.

Até final da semana está prevista nova ação de protesto, desta vez na ponte internacional que liga a vila de Melgaço a Arbo.

Nas últimas semanas, os autarcas dos dois lados do rio Minho têm feito repetidos apelos à abertura de mais passagens entre as duas regiões transfronteiriças, em ações de protesto promovidas pelo AECT Rio Minho.

Constituído em fevereiro de 2018 e com sede em Valença, no distrito de Viana do Castelo, o AECT Rio Minho abrange um total de 26 concelhos: os 10 municípios do distrito de Viana do Castelo que compõem a CIM (Comunidade Intermunicipal) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra.

Os autarcas dos municípios portugueses e galegos situados ao longo de 70 quilómetros do rio Minho reclamam a reabertura de mais três pontos de passagem entre Portugal e Espanha de forma a corrigir o que dizem ser uma injustiça dos dois Estados, sobretudo para os trabalhadores transfronteiriços.

Defendem a abertura de pontes de passagem nas pontes internacionais entre Monção e Salvaterra do Minho, Melgaço e Arbo, Vila Nova de Cerveira e Tominõ.

O controlo das fronteiras terrestres com Espanha está a ser feito desde as 23:00 do dia 16 de março em nove pontos de passagem autorizada devido à pandemia de covid-19. A reabertura das fronteiras está prevista para 01 de julho

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 402 mil mortos e infetou mais de sete milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.479 pessoas das 34.693 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho