Braga, quarta-feira

De fonte de inspiração e devoção a um romantismo mágico

Regional

29 Junho 2021

Joana Russo Belo Joana Russo Belo

Bom Jesus do Monte é o ex-líbris da cidade de Braga, espaço único considerado Património Mundial da UNESCO. Monte sagrado faz parte da memória dos bracarenses e é visitado por milhões de turistas cativados pela singularidade do local.

“A paisagem natural do Monte Espinho foi usada como cenário para uma Viae Crucis que resultou na construção de um santuário monumental que sofreu metamorfoses arquitectónicas e artísticas durante um período de seis século. No Santuário do Bom Jesus, os elementos naturais - granito, água, vegetação - e elementos culturais - escadarias, capelas, esculturas - são integrados de maneira a construir um todo de carácter e espiritualidade excepcionais, numa manifestação artística e construtiva do génio humano”.

É um fonte de inspiração, devoção e um dos lugares mais românticos e mágicos da cidade de Braga. Espaço presente na memória dos bracarenses e dos milhões de visitantes que anualmente sobem o escadório ao encontro da beleza de um cenário idílico, onde a arquitectura e a fé andam de mãos dadas. Lugar icónico, histórico, pleno de riqueza patrimonial e também ambiental, o Bom Jesus do Monte é muito mais do um espaço religioso, é também um lugar romântico e de convívio, onde os bracarenses praticam desporto e aproveitam os dias de sol em comunhão com a natureza. A juntar à vista soberba sobre a cidade, o Bom Jesus é um convite também à descoberta de trilhos, grutas, lagos, coretos, pontes rústicas, espaços verdes refrescantes e do centenário elevador funicular, inaugurado em 1882 e o mais antigo no mundo a utilizar o sistema de contrapesos de água. Motivos que deixam encantados os turistas, cativados pela singularidade do local.

“É a primeira vez que visito o Bom Jesus e estou a adorar, é fantástico. Este sítio é magnífico, aconselho mesmo virem cá visitar. Quem vem cá certamente vai querer voltar várias vezes, porque é uma zona lindíssima”, revelou ao Correio do Minho Adérito Martins.

Natural da Quarteira, confessa estar “encantado” pela hospitalidade nortenha e diz ser a “prova de que Portugal não é só praia”: “tenho de confessar que o Norte é bem mais bonito do que o Algarve, a nível de natureza, de verdura. O Algarve tem uma vantagem, as praias, mas o nosso país é muito mais do que isso. Fiquei encantando com o Norte, porque nunca cá tinha vindo e digo sinceramente, estou a amar e quero voltar a Braga. As pessoas são muito amáveis, têm carinho pelos outros, nota-se que há aqui um sentimento único que nem dá bem para explicar”.

Deixa o teu comentário