Braga, quarta-feira

Enfermeira vimaranense fica na história da luta contra a Covid-19

Regional

28 Dezembro 2020

Redação

É vimaranense a enfermeira que administrou, em Portugal, a primeira vacina contra a Covid-19. Às 10.07 horas de ontem, Ana Isabel Ribeiro ficou na história ao vacinar o médico António Sarmento.

É vimaranense a enfermeira que ontem administrou, em Portugal a primeira vacina contra a Covid-19. Eram 10.07 horas, quando Ana Isabel Ribeiro ficou na história ao vacinar o médico infecciologista António Sarmento, no Hospital de S. João, no Porto.

A primeira vacina foi administrada na presença da ministra da Saúde, Marta Temido, num momento marcado pelos flashes’ das máquinas fotográficas e pelos aplausos ao arranque do plano nacional de vacinação contra a Covid-19.

Ana Isabel Ribeiro confessou que “foi uma honra” ser a primeira enfermeira a administrar a vacina em Portugal, confessando que se sentiu “tranquila” por estar a vacinar “o professor”. A primeira pessoa a receber a vacina foi o director do serviço de Doenças Infecciosas, António Sarmento, de 65 anos, a tra balhar há 42 no Hospital de São João.

“É uma honra estar aqui. Foram meses muito duros, vimos doentes muito mal, doentes que não conseguimos salvar e outros que refizeram as suas vidas com restrições”, disse Ana Isabel Ribeiro, que mostrou “esperança” na eficácia da vacina para vencer a pandemia.

Ana Isabel Ribeiro também foi vacinada ontem, por volta das três e meia da tarde.

No Hospital de São João a “megaoperação” de vacinação deste domingo mobilizou cerca de 100 profissionais.

Já o médico infecciologista António Sarmento mostrou-se “confiante” e vincou a importância da vacinação mesmo que “sem risco zero”.

“Estou absolutamente tranquilo com a vacina, mas não tão tranquilo com todo este aparato, isto sim faz-me sofrer um bocado, a vacina não”, comentou, referindo-se ao aparto dos jornalistas a acompanhar o momento no local.

“É evidente que o risco não é zero, mas o risco não é zero para nenhuma medicação nova ou vacina nova que se venha a desenvolver, todas elas tiveram fase de estudo, ensaios de fase 1, 2 e 3 e, depois foram, comercializadas e expandidas a toda a humanidade”, disse o médico.

À semelhança de outros países da UE, em Portugal a vacina é facultativa, gratuita e universal, sendo assegurada pelo SNS.

Deixa o teu comentário