Braga, sexta-feira

EUA com 2.530 mortos e 66.111 casos nas últimas 24 horas

Internacional

06 Março 2021

Lusa

Os Estados Unidos registaram 2.530 mortes provocadas pela covid-19 nas últimas 24 horas, além de 66.111 novos casos, segundo a contagem independente da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

Os casos aumentaram substancialmente em relação ao dia anterior, quando o país registou um número de infeções inferior a 40 mil (39.222), o que já não acontecia há cinco meses, segundo os dados da universidade norte-americana.
 

Após um pico de 300.000 casos num só dia, em 08 de janeiro, o número de infeções diárias regressou aos níveis anteriores às festas do fim de ano, como o 'Halloween' e o Dia de Ação de Graças ('Thanksgiving'), que fizeram aumentar as deslocações no país, agravando a propagação da doença.
 

As médias semanais de hospitalizações e mortes provocadas pelo novo coronavírus também estão em clara diminuição, segundo os dados da Universidade Johns Hopkins.
 

Desde o início da pandemia, os Estados Unidos acumularam 522.610 óbitos e 28.886.283 casos da doença.
 

Os EUA são o país com mais mortes devido à covid-19 e também com mais casos de infeção.
 

A Califórnia é agora o estado com mais óbitos provocados pela doença (53.653), seguido de Nova Iorque (48.153), Texas (45.047) e Florida (31.522).
 

Em número de casos confirmados, a Califórnia é também o mais afetado, com 3.589.206 infeções desde o início da pandemia, seguindo-se o Texas (2.688.148), Florida (1.936.207) e Nova Iorque (1.678.867).
 

O Presidente norte-americano, Joe Biden, estimou que a doença venha a causar mais de 600 mil mortos no país.
 

Por seu lado, o Instituto de Métricas e Avaliações de Saúde da Universidade de Washington, em cujos modelos de projeção a Casa Branca se baseia com frequência, previu cerca de 575 mil mortos até junho.
 

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.570.291 mortos no mundo, resultantes de mais de 115,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.
 

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Deixa o teu comentário