Braga, quarta-feira

Eurodeputada do PCP alerta para situação dramática da restauração

Economia

26 Fevereiro 2021

Marlene Cerqueira

Sandra Pereira reuniu ontem com empresários da restauração de Braga. No final do encontro, mostrou-se muito preocupada com a situação dramática que este sector está a atravessar.

Sandra Pereira, eurodeputada do PCP, alertou ontem para a situação dramática em que se encontro o sector da restauração. Após uma reunião com empresários bracarenses do sector, a eurodeputado apontou o dedo aos apoios prometidos pelo Governo, mas que “não têm chegado às empresas”, e às regras de acesso que deixam de fora muitos restaurantes.


No dia em que na Assembleia da República foi discutida a renovação do Estado de Emergência, Sandra Pereira esteve em Braga para ouvir as queixas de um dos sectores mais afectados pelas medidas impostas para conter a pandemia. “O cenário na restauração é muito preocupante. O que estes empresários nos dizem é que os apoios não têm chegado”, referiu a eurodeputada, no final da reunião, aos jornalistas.
 

 Sandra Pereira lembrou que este é um sector que nunca chegou a desconfinar totalmente e que sempre se foi adaptando aquilo que lhe foi sendo exigido, como a adaptação do espaço, o limite de clientes e o encerramento aos fins-de-semana.
 

Sem apoios, o cenário tornou-se “muito dramático para milhares de empresários da restauração que lutam para manter os negócios abertos e os postos de trabalho”.
 

 Posto isto, Sandra Pereira defende que “é preciso que o Governo intervenha e que os apoios cheguem aos pequenos empresários e não só aos grandes”.


A eurodeputada alertou ainda para alguns critérios na atribuição de apoios que deixam de foram muitos empresários do sector. “Há espaços, como este onde reunimos hoje, que abriram em 2020 e que por isso não tem facturação anterior. Logo, não podem aceder aos apoios. Há ainda situações em que determinados apoios são dados com base na facturação de há 40 semanas, quando já estava o país confinado”, alertando, defendendo que são alguns exemplos de regras que não fazem sentido.
 

 Partilhou ainda outra queixa dos empresários que se prende com a proibição de venda de bebidas. “Eles não percebem porque é que podem vender bebidas nas entregas ao domicílio, mas não o podem fazer no take-away, uma situação que obriga o cliente a ir a outro espaço para adquirir as bebidas. Não faz sentido”, partilhou, prometendo que o PCP vai dar eco das preocupações do sector na Assembleia da República.


Na reunião participou também a vereadora da CDU na Câmara de Braga, Bárbara Barros, que se mostrou sensível às preocupações e reivindicações dos empresários do sector da restauração, prometendo que as mesmas serão veiculadas e defendidas tanto em sede do executivo municipal como na Assembleia Municipal de Braga.

Deixa o teu comentário