Braga, quarta-feira

Festival Super Bock Super Rock adiado para julho de 2022

Diversos

31 Maio 2021

Lusa

A 26.ª edição do festival SBSR, que estava prevista para o Meco, em Sesimbra, nos dias 15, 16 e 17 de julho deste ano, foi adiada para julho de 2022, anunciou hoje a promotora Música no Coração.

A 26.ª edição do festival SBSR, que estava prevista para o Meco, em Sesimbra, nos dias 15, 16 e 17 de julho deste ano, foi adiada para julho de 2022, anunciou hoje a promotora Música no Coração.

“Esta é uma decisão extraordinariamente difícil. Trabalhámos, ao longo dos últimos meses, em conjunto com o Governo, as Autoridades de Saúde e os representantes do setor, em medidas que possam permitir o regresso dos Festivais em segurança. No entanto, as restrições à circulação internacional estão a obrigar grande parte dos artistas a adiar as suas tours para 2022, o que inviabiliza manter o Super Bock Super Rock este ano”, pode ler-se no comunicado da organização, que anuncia as novas datas como sendo 14, 15 e 16 de julho de 2022.

A promotora recorda que os bilhetes comprados para 2020 ou para 2021 continuam a ser válidos para o evento em 2022, sendo possível o reembolso, nos 14 dias úteis a seguir à data prevista para a realização do festival, apenas para as entradas compradas em 2020, segundo as normas aprovadas para estas situações.

No entanto, a organização deixa um apelo: “Quem puder manter o bilhete adquirido para desfrutar do Festival em 2022 estará a prestar um contributo valioso a este setor, que foi um dos mais afetados pela pandemia”.

Sobre se o cartaz se vai manter em 2022, a organização refere, no ‘site’ do evento, que está “a trabalhar para manter o mesmo ou ainda melhor cartaz”.

O cartaz do festival SBSR incluía nomes como A$AP Rocky, Brockhampton, Hot Chip, Slow J, Wire, Foals, Kali Uchis, Son Lux, entre outros.

Por causa das restrições para limitar a propagação da covid-19, pela situação pandémica noutros países e pelos diferenciados ritmos de vacinação, foram já adiados vários festivais de música, entre os quais o ID No Limits e o CoolJazz (ambos em Cascais), o Alive (Oeiras), o Rock in Rio Lisboa, o Primavera Sound (Porto), o Boom Festival (Idanha-a-Nova), o Barroselas Metalfest e o Gouveia Art Rock.

No entanto, há outros festivais que continuam marcados em Portugal, nomeadamente o Sudoeste (agosto, Odemira) e o Paredes de Coura (agosto, distrito de Viana do Castelo).

De acordo com o 'plano de desconfinamento' do Governo, a realização de "grandes eventos exteriores e interiores, sujeitos a lotação definida" é permitida desde 03 de maio, pela Direção-Geral da Saúde.

Foram realizados quatro eventos-piloto, entre finais de abril e inícios de maio em Braga, Coimbra e Lisboa, com plateia sentada e em pé, com o objetivo de definir "novas orientações técnicas e a realização de testes de diagnóstico de SARS-CoV-2 para a realização de espetáculos e festivais".

Em 05 de maio, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, afirmou que os ministérios da Cultura e da Saúde estavam a trabalhar para perceber a "progressão" que seria possível fazer na realização de eventos, já autorizados, e remeteu um balanço para depois da realização dos "eventos teste".

Deixa o teu comentário