Braga,

Gil Vicente e Portimonense marcam passo em jogo monótono

Desporto

26 Outubro 2019

Redação

Gil Vicente e Portimonense falharam hoje o regresso às vitórias na I Liga de futebol, ao empatarem 1-1 em encontro da oitava jornada, revelando pouca acutilância para se distanciarem dos lugares de despromoção.

Gil Vicente e Portimonense falharam hoje o regresso às vitórias na I Liga de futebol, ao empatarem 1-1 em encontro da oitava jornada, revelando pouca acutilância para se distanciarem dos lugares de despromoção.

No Estádio Cidade de Barcelos, os algarvios inauguraram o marcador aos 40 minutos, por intermédio do avançado Aylton Boa Morte, mas os minhotos restabeleceram a igualdade no sexto minuto de compensação da primeira parte (45+6), através de uma grande penalidade concretizada pelo brasileiro Sandro Lima.

Apesar de conservar a invencibilidade caseira na prova, o Gil Vicente somou o sétimo jogo sem triunfos e caiu para o 15.º posto, com sete pontos, enquanto o Portimonense é 16.º, com seis, e só venceu um dos últimos nove duelos para todas as competições, precisamente, no Estádio Cidade de Barcelos, para a fase de grupos da Taça da Liga.

Numa partida inédita para o campeonato, os dois conjuntos acentuaram as cautelas defensivas nos minutos iniciais, apesar da urgência em conquistarem pontos.

Os pupilos de Vítor Oliveira, que confiou no ‘onze' que afastou o Penafiel da Taça de Portugal, mostraram maior ‘atrevimento’ com a bola, fruto de uma tentativa de longe de Lourency, aos nove minutos, e um remate ‘embrulhado’ de Kraev, aos 19.

A atuar na expectativa, a formação de António Folha, que operou seis mexidas face à derrota no terreno da Académica para a ‘prova rainha', só conseguiu criar perigo num canto desviado por Jackson Martínez, aos cinco minutos, e num contra-ataque conduzido por Bruno Tabata, aos 20.

Só depois da meia hora regressou alguma emoção ao desafio, com Sandro Lima a desperdiçar na ‘cara’ de Ricardo Ferreira, após cruzamento de Kraev na direita. Na resposta, aos 40, Tabata desmarcou Aylton Boa Morte, que ‘picou' a bola sobre Denis e assinou o segundo tento na I Liga.

O golo demorou três minutos a ser validado pelo videoárbitro (VAR) e a vantagem algarvia durou apenas cinco minutos, porque Lucas Possignolo rasteirou Baraye na área, originando um penálti convertido por Sandro Lima, em cima do intervalo.

O Portimonense regressou para o segundo tempo com mais rotação, criando perigo pelos pés de Tabata (59) e Marlos Moreno (87), mas a produção global das duas equipas decaiu a pique com o avanço do relógio e nem as substituições introduziram algum rasgo no último terço.

Prova disso foi a incapacidade manifestada pelo Gil Vicente em criar oportunidades que consumassem a reviravolta, num jogo monótono em que acabou reduzido a dez unidades, devido ao duplo amarelo exibido a Claude Gonçalves, aos 89 minutos.

Deixa o teu comentário