Braga, segunda-feira

Grupo Pinto Brasil confirma interesse em investir na empresa Tegopi

Economia

03 Outubro 2019

Lusa

O presidente do Grupo Pinto Brasil, que atua no setor da metalomecânica e tem sede em Guimarães, confirmou hoje à Lusa ter a intenção de investir na Tegopi, empresa de Vila Nova de Gaia que será liquidada.

"Não posso dizer valores, mas vamos analisar tudo, ver os prós e os contras, e estou confiante que conseguiremos avançar com o negócio", disse o presidente do Grupo, Manuel Pinto Brasil.
 

O empresário confirmou que "existiram contactos" com o administrador de insolvência da Tegopi e que, "por estar dentro do seu âmbito de negócio e para evitar o despedimento de tantas pessoas", quer investir na empresa de Gaia.
 

Manuel Pinto Brasil disse que é objetivo do seu grupo, que atualmente tem como principais mercados a Europa, norte de África e América do Norte, é "crescer no setor e alcançar mercados alternativos", razão pela qual procura "oportunidades de investir junto de empresas cujos trabalhadores têm experiência no setor".
 

Manuel Pinto Brasil falava à agência Lusa depois de esta manhã o administrador de insolvência da Tegopi, António Dias Seabra, ter dito na assembleia de credores que decorreu no Tribunal do Comércio, em Vila Nova de Gaia, que tinha sido contactado por um investidor que poderia garantir a manutenção de parte da empresa de fabrico de torres eólicas localizada em Vilar do Paraíso e que emprega cerca de 200 trabalhadores, mas onde na sexta-feira foi afixada uma folha com o nome de 98 trabalhadores a dispensar desde segunda-feira.
 

Esta manhã, numa sessão longa e com muitas intervenções, e que juntou na assistência mais de uma centena de trabalhadores, foi votada e decidida a liquidação da empresa, mas esta manter-se-á aberta já que foi anunciado o interesse de um novo investidor.
 

"Fui contactado por um novo investidor, o Pinto Brasil, que poderá viabilizar parte da empresa. Proponho a liquidação da empresa salvaguardando partes", disse António Dias Seabra, que viu aprovada a sua sugestão sob a figura jurídica "liquidação da empresa com manutenção do estabelecimento".
 

A liquidação da Tegopi não será, assim, comunicada às Finanças para que esta possa laborar enquanto vão decorrer as negociações com o novo investidor.
 

A assembleia de credores reuniu os próprios ou mandatários, tendo ficado marcada pela ausência de representantes da Tegopi.
 

Foi ainda decidido que os bens da Tegopi ficarão apreendidos, mas não alienados, o que na prática significa que não podem ser vendidos nem penhorados.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho