Braga, quarta-feira

Guia pretende valorizar território com aposta no turismo de proximidade

Regional

03 Julho 2021

Patricia Sousa

Ricardo Rio, presidente do Eixo Atlântico, admitiu que o Fórum Termal do Eixo Atlântico nasce da necessidade de pôr as cidades termais no mapa turístico internacional, com especial destaque para o mercado de proximidade.

Com o “espírito de cooperação e de valorização” do território, o Guia Termal do Eixo Atlântico, que será distribuído com o jornal Correio do Minho na edição da próxima segunda-feira, reúne “a melhor oferta turística” dos dois países num único destino termal: as cidades do Fórum Termal do Eixo Atlântico. “O Eixo Atlântico tem trabalhado de forma intensa a dimensão da promoção turística do território da euro região nas suas várias vertentes, enquanto espaço de turismo de proximidade e com uma multiplicidade de recursos turísticos que possam captar públicos”, constatou o presidente da associação, Ricardo Rio, assegurando que os recursos termais são “um dos elementos diferenciadores” da euro-região.

“As nossas cidades têm um património natural e cultural que as torna únicas. Entre os seus muitos e variados recursos endógenos, um deles destaca-se de forma notável dada a sua abundância, qualidade e singularidade, que se traduz numa vantagem diferenciadora e compe- titiva relativamente a outros destinos tanto nacionais como internacionais: as suas águas termais”, assumiu Ricardo Rio.

Além da promoção mais abrangente e genérica, o Eixo Atlântico tem, em determinados contextos, “tentado valorizar alguns recursos específicos dos quais possam existir uma maior identidade dentro da euro região”. Para Ricardo Rio, os Caminhos de Santiago são “o maior exemplo” e que o Eixo Atlântico tem trabalhado de “forma mais intensa”.

Mas a “riqueza mineromedicinal e termal” também ganha espaço. “Trata-se de um sector que lançou no mercado produtos turísticos especializados com capacidade de combater a sazonalidade da procura, com poder para captar mais segmentos de público e de grande atractividade para a articulação de oferta turística combinada com outros produtos relacionados com o património cultural, natural, enogastronómico e desportivo”, referiu.

Este guia vem também ao encontro de “uma constatação” que se tem vindo a sentir: “muitas vezes aqueles que residem perto dos equipamentos não os conhecem e esta é também uma forma de dar a conhecer e divulgando os recursos existentes”.

Ricardo Rio destacou o facto do turismo ser um sector que representa uma fatia importante da actividade económica nas cidades. “Nas circunstâncias que vamos vivendo ainda com muitas restrições de deslocações internacionais, naturalmente também queremos apostar na valorização do turismo de proximidade e nesse sentido estas iniciativas de divulgação acabam por ser um estímulo aos nossos vizinhos para serem os primeiros a beneficiar”, apelou.

Actualmente as motivações do turista mudaram. Ainda assim, apesar de serem cada vez mais diversas confluem numa mesma necessidade: viver experiências únicas. “Encorajo os operadores turísticos a continuar a apostar na criação de produtos conjuntos capazes de atrair a atenção deste novo turista, oferecendo-lhe a oportunidade de viver a experiência transfronteiriça de conhecer o nosso património termal percorrendo a Rota Termal e da Água Galiza - Norte de Portugal e de, no final desse percurso, tornar-se embaixador das nossas águas”, desafiou ainda o presidente.

Deixa o teu comentário