Braga, terça-feira

Hospital de Braga já tem como foco recuperar cirurgias e consultas

Regional

18 Fevereiro 2021

Lusa

O Hospital de Braga conta hoje com 75 doentes covid-19, um número que fica bem longe dos 190 registados há três semanas e que permite agora colocar o foco na recuperação de consultas e cirurgias.

O Hospital de Braga conta hoje com 75 doentes covid-19, um número que fica “bem longe” dos 190 registados há três semanas e que permite agora colocar o foco na recuperação de consultas e cirurgias.

O presidente do Conselho de Administração do hospital, João Porfírio Oliveira, disse à Lusa que o número de doentes covid-19 internados em enfermaria “desceu drasticamente”, o que já permitiu “desmobilizar algumas unidades” e “reverter algumas alterações” que tinham sido feitas para acudir ao pico da pandemia.

“Estamos a libertar espaços e profissionais para recuperar consultas e a atividade cirúrgica convencional, que é agora o nosso principal foco”, acrescentou.

Dos 75 doentes covid-19 que hoje estão no Hospital de Braga, 43 estão internados em enfermaria e 32 nos cuidados intensivos.

“A Unidade de Cuidados Continuados ainda está muito pressionada, mas em enfermaria a redução tem sido muito acentuada”, disse ainda João Porfírio Oliveira.

Em relação à vacinação, do universo de 3.582 profissionais do Hospital de Braga, incluindo prestadores de serviços, 76,6% ficarão vacinados até a próxima terça-feira.

Ficarão a faltar 838 profissionais, que serão vacinados aquando da receção de novas doses de vacinas.

Também já foram vacinados 33 doentes com insuficiência renal em hemodiálise, “conforme norma definida pela Direção-Geral da Saúde”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.419.730 mortos no mundo, resultantes de mais de 109,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.649 pessoas dos 790.885 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Deixa o teu comentário