Braga, terça-feira

Hospital particular de Viana do Castelo recebe até 8 doentes para aliviar SNS

Regional

21 Janeiro 2021

Redação

O hospital particular de Viana do Castelo vai receber até oito doentes sem infeção por SARS-CoV-2 para permitir ao hospital público aumentar o número de camas disponíveis para combater a pandemia de covid-19, foi hoje divulgado.

O hospital particular de Viana do Castelo vai receber até oito doentes sem infeção por SARS-CoV-2 para permitir ao hospital público aumentar o número de camas disponíveis para combater a pandemia de covid-19, foi hoje divulgado.

"Na terça-feira, o hospital de Santa Luzia reencaminhou os primeiros dois doentes, na quarta-feira outros dois. No total, temos já quatro doentes com diversas patologias, não associadas à covid-19. Nesta fase, disponibilizamos um total de oito camas ao Serviço Nacional de Saúde (SNS)", disse hoje à agência Lusa o diretor clínico do Hospital Particular de Viana do Castelo.

Segundo Domingos Oliveira, "o acordo foi estabelecido, na semana passada com a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte".

"Fomos contactados no sentido de ajudar a aliviar o hospital público neste momento crítico. Não foi nossa uma preocupação com o valor do pagamento do serviço, mas responder à fase crítica que o país está a atravessar. Temos todos de fazer o que é preciso para tentarmos ajudar o SNS que está sob muita pressão, porque há muitos doentes com covid-19 que desgastam muito os recursos humanos que estão a chegar ao limite", sustentou.

Com sete pisos, três dos quais para internamento, com capacidade total de 48 camas, o hospital particular entrou em funcionamento em abril 2004. Tem 150 funcionários nos quadros, a que acrescem 150 colaboradores.

"É o nosso papel no âmbito da responsabilidade social e que assumimos dentro das nossas capacidades. É um hospital pequeno, temos os nossos doentes e temos de ir ajustando a resposta. Se a situação piorar teremos de limitar as nossas atividades, como fizemos na primeira vaga, para termos mais capacidade para receber mais doentes", adiantou.

Segundo Domingos Oliveira, na primeira vaga da pandemia de covid-19, o hospital particular "cedeu um dos dois ventiladores de que dispõe ao hospital de São João, no Porto, e três enfermeiros à Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), que acabaram por ser integrados nos quadros do hospital de Santa Luzia".

Desde novembro que funciona no hospital particular um posto de rastreio à covid-19, num contentor instalado no parque de estacionamento, onde já foram realizados "cerca de três mil testes PCR e 4.500 rápidos".

Aquele posto de rastreio realiza testes prescritos pelo SNS.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima.

Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas dos 10 concelhos do distrito de Viana do Castelo e algumas populações vizinhas do distrito de Braga.

Em todas aquelas estruturas trabalham mais de 2.500 profissionais, entre eles, cerca de 500 médicos e mais de 800 enfermeiros.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.058.226 mortos resultantes de mais de 96,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.465 pessoas dos 581.605 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Deixa o teu comentário