Mais 95 mortes e 9.927 novos casos nas últimas 24 horas

Nacional

07 Janeiro 2021

Redação

Portugal contabiliza hoje mais 95 mortes relacionadas com a covid-19 e 9.927 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Portugal contabiliza hoje mais 95 mortes relacionadas com a covid-19 e 9.927 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim epidemiológico da DGS indica ainda que estão internadas 3.333 pessoas, mais 40 do que na quarta-feira, das quais 514 em cuidados intensivos, ou seja, mais uma.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 7.472 mortes e 456.533 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 93.360, mais 6.356 do que na quarta-feira.

Este é o segundo dia com maior número de casos desde o início da pandemia, depois de a 06 de janeiro Portugal ter registado um recorde diário de 10.027 novos casos de infeção com o novo coronavírus.

Segundo os dados, 71% dos novos casos de hoje estão na região Norte e na região de Lisboa e Vale do Tejo.

As autoridades de saúde têm em vigilância 103.771 contactos, mais 3.668 relativamente ao dia anterior.

O boletim revela ainda que mais 3.476 pessoas foram dadas como recuperadas.

Desde o início da epidemia em Portugal, em março, já recuperaram 355.701 pessoas.

Relativamente às 95 mortes registadas nas últimas 24 horas, 38 ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, 27 na região Norte, 17 na região Centro, 10 no Alentejo e três na região do Algarve.

Ainda segundo o boletim da DGS, a região Norte registou 3.554 novas infeções por SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, a região Norte registou 225.957 casos de infeção e 3.373 mortes.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas 3.501 novas infeções, contabilizando-se até agora 148.343 casos e 2.601 mortes.

Na região Centro registaram-se mais 1.855 casos, acumulando-se 55.523 infeções e 1.093 mortos.

Já no Alentejo foram assinalados mais 574 casos, totalizando 13.389 infeções e 288 mortos desde o início da epidemia em Portugal.

A região do Algarve tem hoje notificados 348 novos casos, somando 9.184 infeções e 79 mortos.

A Madeira registou 27 novos casos. Esta região autónoma contabiliza 1.905 infeções e 16 mortes devido à covid-19.

Na Região Autónoma dos Açores foram registados 68 novos casos nas últimas 24 horas, somando 2.232 infeções e 22 mortos.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 205.208 homens e 251.166 mulheres, referem os dados da DGS, segundo os quais há 159 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 3.892 eram homens e 3.580 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguido das pessoas com idade entre os 70 e os 79 anos.

O Governo decidiu hoje “estender as regras atualmente em vigor” no combate à pandemia no território continental, no âmbito do novo estado de emergência, determinando ainda uma “medida cautelar” no próximo fim de semana para os concelhos com maior risco.

Em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro, António Costa, explicou que essa medida inclui a proibição de circulação entre concelhos e o recolher obrigatório a partir das 13:00 e até às 05:00 do dia seguinte durante o próximo fim de semana, medidas que se aplicam nos concelhos com mais de 240 novos casos de covid-19 por 100 mil habitantes.

Na quinta-feira, o Presidente da República decretou a renovação do estado de emergência por mais oito dias, até 15 de janeiro, para permitir medidas de contenção da covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.884.187 mortos resultantes de mais de 87,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Deixa o teu comentário