Braga, sexta-feira

Manuel Moreira: 'Estou preocupado com as pessoas, não com as obras'

Regional

03 Fevereiro 2021

Redação

No concelho de Amares é sobretudo a população mais desprotegida que preocupa o presidente da Câmara. Em entrevista ao Correio do Minho, Manuel Moreira afirma que neste momento o lhe que importa é os seres humanos e não as obras.

“Em Amares, a situação está como no país: muito complicada”. As palavras são de Manuel Moreira, presidente da Câmara Municipal, que se mostra preocupado não só com a evolução situação epidemiológica do concelho, mas sobretudo com as consequências que a pandemia está ter junto das camadas mais desprotegidas da população.

“Neste momento, estou preocupado com os seres humanos e não com as obras”, refere o autarca, identificado os idosos, os desempregados e os mais carenciados como a franja mais desprotegida da população e aquela a quem a acção social desenvolvida pela esfera municipal procura dar resposta.

“Os pedidos de ajuda não param de aumentar. São cada vez. temos por exemplo jovens casais, em que ficaram ambos desempregados e nem leite têm para dar aos filhos. São situações muito complicadas”, refere o edil em entrevista ao ‘Correio do Minho’, admitindo que estas situações lhe tiram o sossego, pois conhece pessoalmente muitos dos autores dos pedidos de ajuda devido aos muitos anos em que deu aulas no concelho.

Através da ‘Arco dos Sonhos’, a autarquia tem tentado responder aos pedidos de ajuda, nomeadamente através da distribuição de cabazes de alimentos.

Também aqui se percebe que o povo amarense é solidário e tem contribuído de forma significativa nas campanhas de angariação de bens alimentares que a ‘Arca dos Sonhos’ dinamiza.

Neste apoio aos mais desprotegidos, o trabalho em rede tem sido essencial. “A nossa acção social está em permanente ligação com os presidentes de junta de freguesia e com os párocos, pois são eles quem melhor conhece as necessidades da população no terreno”, salienta.

Para Manuel Moreira, os presidentes de Junta “tem feito um trabalho excelente”, sobretudo junto dos idosos que vivem isolados e necessitam de apoio por exemplo para lhe ir buscar a medicação ou efectuar compras de bens essenciais.

“Tenho um imenso orgulho no trabalho que os nossos presidentes de Junta têm feito ao longo desta pandemia. Eles têm demonstrado uma sensibilidade extraordinária e uma atenção permanente aos problemas sociais”, sublinha o edil.

De realçar que o município disponibiliza ainda uma linha telefónica de apoio à população amarense em isolamento e/ou em situação vulnerável. O objectivo é ajuda a ultrapassar o momento de isolamento social que vivemos e que pode estar a gerir em si tristeza, solidão, medo e ansiedade.

Deixa o teu comentário