Braga, sexta-feira

Ministros elogiam estratégia de implantação territorial do IPCA

Regional

17 Julho 2021

José Paulo Silva José Paulo Silva

Ministra da Coesão Territorial e ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior dedicaram o dia de ontem ao Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA).

A ministra da Coesão Territorial e o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior elogiaram ontem o trabalho de implantação do Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA) neste território, considerando exemplar a cooperação que a instituição estabelece com autarquias e associações empresariais.


Numa visita que teve por objetivo discutir e apresentar projectos do IPCA com possibilidade de serem enquadrados no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e nos fundos estruturais europeus, Ana Abrunhosa e Manuel Heitor apontaram a “articulação” entre a instituição de ensino superior, municípios e associações empresariais como um “exemplo para Portugal e a Europa”.
 

 No polo de Braga da Escola Técnica Superior Profissional, os ministros reuniram com dirigentes do IPCA, o presidente da Câmara Municipal, Ricardo Rio, e os presidentes da Associação Empresarial do Minho, Ricardo Costa, e da Associação Comercial de Braga, Domingos Barbosa.


No campus de Barcelos, debateram o tema ‘O Papel do IPCA na Transformação da Região’ com a presidente da presidente da instituição, Maria José Fernandes, o presidente da CCDN-R, António Cunha, os presidente da câmaras de Barcelos, Miguel Costa Gomes, e de Esposende, Benjamim Pereira, e vereadores das câmaras de Famalicão e Guimarães, cidades onde o IPCA?está implantado.
 

 O roteiro dos governantes incluiu ainda o encontro ‘Diálogos de Política Científica’com investigadores do IPCA, a que se juntou a secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira.


Sem especificar os projectos que o IPCA?apresentou neste roteiro , a ministra Ana Abrunhosa garantiu que “todos têm valor para ter financiamento comunitário, seja no PRR ou no Portugal 2030”.


Adiantou Ana Abrunhosa que em causa está o apoio a cursos, nomeadamente os técnicos superiores profissionais em que o IPCA tem apostado, a contratação de recursos humanos qualificados para laboratórios, a aquisição de equipamentos e a melhoria de instalações.


A ministra da Coesão Territorial destacou o “ecossistema inovador” que existe no Cávado e Ave, referindo-se à cidade de Braga como “uma metrópole dinâmica e jovem, com condições para atrair jovens e famílias de todo o mundo”.


Acrescentou que “em meses ou anos, as necessidades mudam. pelo que “a forma como o comércio e os serviços respondem tem que ser completamente distinta”, oferecendo “oportunidades para as pessoas realizarem as suas expectativas de vida”.
 

 Para o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a oferta formativa que o IPCA tem actualmente em cinco concelhos “é particularmente importante para densificar o território e trazer qualidade de vida”.


Disse que o investimento realizado em Braga com a Escola Técnica Superior Profissional resulta da “articulação crítica” com autarquia e empresas.

Deixa o teu comentário