Braga, terça-feira

Ordem reclama mais 53 enfermeiros para o Hospital de Famalicão

Regional

08 Janeiro 2021

Redação

O presidente da Secção Norte da Ordem dos Enfermeiros, João Paulo Carvalho, alertou hoje que fazem falta mais 53 enfermeiros para assegurar o normal funcionamento do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica do hospital de Vila Nova de Famalicão.

O presidente da Secção Norte da Ordem dos Enfermeiros, João Paulo Carvalho, alertou hoje que fazem falta mais 53 enfermeiros para assegurar o “normal funcionamento” do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica do hospital de Vila Nova de Famalicão.

Em declarações à Lusa, no final de uma reunião com a administração do Centro Hospitalar do Médio Ave, João Paulo Carvalho disse que a escassez de enfermeiros “leva a que cada um tenha de fazer o trabalho de três”.

“Isto acarreta naturais perigos para a segurança tanto do profissional como do doente”, referiu.

Segundo João Paulo Carvalho, aquele serviço de urgência tem 65 enfermeiros, quando a Ordem considera que seriam necessários 118.

Por turno, estarão ao serviço 11 enfermeiros, mas a Ordem defende que deveriam ser 17 mais um chefe.

“Está a acontecer um recurso muito grande a horas extraordinárias, os enfermeiros fazem em média mais de 70 horas mensais, o que conduz a um desgaste muito grande”, disse ainda João Paulo Carvalho.

Os enfermeiros queixam-se ainda do muito frio que se regista no novo edifício de apoio do hospital de Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, que construído expressamente para o combate à pandemia da covid-19 e que acolhe doentes infetados ou com suspeitas de infeção.

Em causa estará um alegado problema com o sistema de aquecimento.

“A temperatura, ali, anda à volta dos 8 ou 9 graus, o que obriga a cobrir os doentes, maioritariamente idosos, com cobertores e mantas, enquanto os profissionais têm de atuar com várias camadas de roupa por baixo da farda”, criticou João Paulo Carvalho.

Na reunião desta manhã, a administração terá dito que o problema ficaria resolvido ainda durante o dia de hoje.

Os enfermeiros que trabalham naquele serviço de urgência vão juntar-se, hoje à noite, frente do hospital, num “protesto silencioso” contra as atuais condições de trabalho.

“Mais do que um protesto, será um grito de alerta, para a tutela olhar para a situação com olhos de ver e aumentar os recursos humanos, para segurança de todos”, rematou João Paulo Carvalho.

Contactada pela Lusa, a administração do Centro Hospitalar do Médio Ave não quis fazer qualquer comentário.

Deixa o teu comentário