Braga, quarta-feira

Pedreira é porto seguro para guerreiros voltarem aos triunfos

Desporto

20 Dezembro 2020

Redação

SC Braga quer retomar o caminho dos triunfos, depois de quebrado o ciclo com o desaire diante do Belenenses SAD. Histórico de confrontos na Pedreira serve de tónico para embalar os guerreiros. Última vitória do Rio Ave, em Braga, foi em 2013/14.

Olhos postos em voltar aos triunfos para o campeonato nacional. Depois de garantida a presença da final-four da Taça da Liga, o SC Braga tem já as baterias apontadas ao Rio Ave, adversário de terça-feira, em jogo da 10.ª jornada da I Liga.

O desaire diante do Belenenses SAD - na última ronda, por 2-1 - já é passado e os guerreiros querem agora retomar o caminho dos triunfos e nada melhor do que regressarem à Pedreira para voltarem ao trilho certo.

Derrota no Jamor quebrou um ciclo positivo de seis jogos consecutivos a vencer, atirou a equipa arsenalista para o quarto lugar da classificação e o objectivo passa por voltar a lutar pelo pódio. Embalados pelo resultado da Taça da Liga e pelo hat-trick de Paulinho, os guerreiros têm ainda o factor casa como determinante para este duelo com o Rio Ave. A estatística está do lado dos bracarenses e diz que nada melhor do que a Pedreira para tónico de vitória.

Em 32 jogos disputados entre as duas equipas em Braga, a história dá conta de 22 triunfos dos arsenalistas, seis empates e apenas quatro vitórias dos vilacondenses. Para o campeonato, os números são de 26 jogos, 19 triunfos guerreiros, quatro empates e três vitórias da formação de Vila de Conde.

Na última época, à 12.ª jornada, o SC Braga venceu o Rio Ave - então orientado por Carlos Carvalhal -, por 2-0, com golos de Paulinho e Ricardo Horta, curiosamente, os goleadores em destaque esta temporada.

Em 2018/19, o duelo na Pedreira terminou com empate a uma bola e, na temporada anterior, os bracarenses venceram por 2-1. Última vitória do Rio Ave em Braga foi em 2013/14. Golo de Tarantini deu o triunfo à então equipa de Nuno Espírito Santo frente aos guerreiros de Jesualdo Ferreira.

Deixa o teu comentário