Braga, terça-feira

Portugueses em Cabul com a guerra ao terrorismo ali mesmo ao lado

Internacional

25 Dezembro 2019

Redação

A guerra pressente-se não só nas fardas, nas armas e nos helicópteros na base da missão da NATO Resolute Solution (RS), no Afeganistão, em Cabul, onde estão 213 portugueses, mas também nos alertas, sejam ou não exercício.

A “guerra” pressente-se não só nas fardas, nas armas e nos helicópteros na base da missão da NATO Resolute Solution (RS), no Afeganistão, em Cabul, onde estão 213 portugueses, mas também nos alertas, sejam ou não exercício.

A ameaça “pressente-se” e “sente-se” na base.

O perímetro é protegido por vários muros de betão e cercas de arame farpado, os controlos são muitos e rigorosos, mesmo para quem está em missão. Quem chega à base é transportado num velho autocarro a fazer lembrar o filme “Blade Runner”.

Ao som da sirene, e do alerta “shelter in place” (“para os abrigos”), todos correm para se proteger, quer seja exercício ou um ataque a sério, dentro ou fora do perímetro.

Há até pequenos gestos, tão usuais e simples, como a utilização das redes sociais, que são barrados aos militares, na convicção de que quem faz estes ataques usa as redes sociais de forma expedita.

A base, onde estão militares portugueses e de mais de 20 países – no total, a RS tem 56 países – é uma espécie de Torre de Babel de línguas (e povos). Há militares e carros de combate, o movimento no aeroporto é quase incessante, dos BlackHawck ou C-130 aos velhos helicópteros Mil soviéticos, que foram ficando após a invasão e retirada da URSS.

É ali, nas pistas que dão acesso ao aeroporto, que grande parte das forças portuguesas têm a sua missão – 154 dos 312 militares são a força de reação rápida.

São eles, juntamente com um pelotão turco, os primeiros a reagir a qualquer emergência ou alerta de perigo. São também soldados portugueses que, em torres próprias, 24 horas por dias, controlam e vigiam quem entra e quem sai da HKAIA pela pista.

Tal como a força de reação rápida, têm ao seu dispor blindados norte-americanos Oshkosh ou MRAP, com a bandeira portuguesa, para responder a emergências: em três minutos têm de estar equipados e prontos nos blindados. Tal como no exercício de prontidão que a Lusa testemunhou no domingo de manhã, horas antes da visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Prontidão é necessária numa base na capital de um país onde há vários grupos, como os talibãs, a quem é atribuída a autoria de inúmeros atentados. Uns mais próximos, outros que visaram a própria base de HKAIA. Mas essa é informação sensível que os militares reservam, se não for noticiada pelos media.

Há relatos, uns mais antigos do que outros, de tiros de morteiro para dentro da base. Os ataques mais temidos pelos militares são mesmo as tentativas de intrusão de um “insurgente” ou de entrada de um veículo com explosivos na base.

O coronel Paulo Lourenço, a cumprir uma missão de um ano em Cabul e que recebeu o Presidente na visita de domingo, admitiu à Lusa, de forma genérica, “uma curva ascendente” em número de “incidentes” nos últimos anos, mas sem adiantar mais pormenores.

Os números, porém, não são públicos, até para não dar informações ou “palco” aos grupos que os militares consideram terroristas – talibãs ou o autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh.

Afinal, o Afeganistão é conhecido pelos historiadores como um “cemitério de impérios”, de Alexandre, o Grande, aos britânicos, no século XIX, ao soviético, no século passado.

Deixa o teu comentário