Póvoa de Lanhoso, município Amigo do Desporto

Desporto

15 Abril 2021

Redação

Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso prepara a retoma desportiva com esperança. Autarquia manteve os subsídios aos clubes e associações, mas foi obrigada a reajustar os projectos.

É um município Amigo do Desporto - galardão atribuído, recentemente, pelo terceiro ano consecutivo, pela plataforma Cidade Social e pela APOGESD – Associação Portuguesa de Gestão do Desporto - e que traduz, na perfeição, a aposta clara da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso numa política de apoio ao desporto de excelência. Distinção chega em ano de pandemia e mostra que as boas práticas e as respostas da autarquia para promover um confinamento activo dão frutos, assim como todo o plano para a retoma, uma ferramenta determinante para ajudar os clubes e as associações a regressarem com toda a segurança à competição.

Vereador do Desporto, João Barroso, foi o convidado do Fórum Desporto da Rádio Antena Minho, onde fez um balanço de um “ano muito atípico” e “difícil” em virtude da Covid-19, mas destacou o papel da autarquia nesta preparação da retoma.

“As nossas associações desportivas sofreram bastante, viveram um período de muita dificuldade. Em termos de eventos, tínhamos muitas actividades preparadas, o nosso concelho é carac- terizado por muito desporto, de Março até Setembro temos muitas actividades que tiveram que ser todas canceladas e agora estamos a ver se conseguimos readaptá-las para se realizarem, tendo em conta as exigências a nível de público e organização. Acredito que vamos conseguir fazer algumas, não tantas como nos anos anteriores, mas estamos a trabalhar no sentido de voltarmos à retoma”, explicou o responsável, dando conta do clima de grande “expectativa”, neste momento, para preparar a fase de retoma.

“Estamos a fazer um plano de todas as actividades, em conjunto com as federações, para depois sabermos o que podemos realizar. Por exemplo, o Grupo Desportivo da Goma organiza uma prova de triatlo e duatlo e estamos muito esperançosos que esta actividade se realize, em sentido contrário, o torneio infantil, que junta cerca de 600 crianças, não se irá realizar”, revelou João Barroso, alertando para as consequências que a pandemia poderá trazer no desenvolvimento dos mais jovens.

“O desporto é um meio de educação e vai trazer consequências muito graves para o futuro, o facto de os jovens competirem, de se auto-motivarem para a competição, aprenderem conceitos de entre-ajuda, solidariedade, é uma escola de valores. Fazem-se homens e mulheres no desporto, é um complemento à educação e perde-se muita coisa com este interregno de competição e treinos”, frisou.

João Barroso tem acompanhado de perto a retoma e diz que sente os clubes com “muito medo por várias situações”: “temos dois opostos muito grandes: por um lado, há o medo, mas, por outro, uma vontade muito grande para competir. Sentimos que os atletas, dirigentes e treinadores têm necessidade de voltar a sentir o frenesim do dia-a-dia da competição, mas temos outros com muitos receios”, referiu, assumindo todo o apoio do município, que manteve os subsídios anuais, mesmo com “muitas das associações com as actividades estagnadas e paradas”. “Mantivemos o apoio, este ano vamos manter e, numa ou outra situação, reforçar com apoio extraordinário face às despesas dos clubes. Temos um desânimo muito grande nos dirigentes, foi um ano muito fustigado, as despesas físicas mantêm-se, as receitas não existem e é muito complicado, porque sem público, sem publicidade a incerteza é grande”.

Deixa o teu comentário