Braga, segunda-feira

Presépio de Priscos adorado por milhares

Regional

13 Janeiro 2020

Redação

No último dia em que o Presépio ao Vivo de Priscos esteve de portas abertas, a enchente voltou a repetir-se. Foram vários os milhares de visitantes que durante o último mês passaram pelo evento e viveram de perto a história do nascimento de Cristo.

Foram milhares e milhares de pessoas que visitaram o Presépio ao Vivo de Priscos durante o último mês, afirmando-se como um grande cartaz turístico do concelho de Braga, em época de festejos natalícios. Ontem foi o último dia do evento e, mais uma vez, foi com uma nova enchente que o presépio fechou portas. A organização diz que “as expectativas foram largamente superadas”.

Uns por motivos mais religiosos, outros por motivos mais culturais, os visitantes ao Presépio de Priscos garantem que esta é uma verdadeira viagem ao tempo do nascimento de Jesus Cristo. Para João Torres, pároco de Priscos, “o Presépio ao Vivo de Priscos tem uma matriz marcadamente religiosa e uma dimensão cultural que é reforçada todos os anos com a edificação de novos cenários, enriquecendo a experiência de quem nos visita. Estamos muito regozijados com a adesão e o entusiasmo de cerca de 134 mil visitantes, de todas as idades, de todo o país e da vizinha Espanha e até de Itália sentindo de perto a verdadeira história do Natal”.

Destaca que “o Presépio de Priscos é genuíno, autêntico e possui uma singularidade única. A originalidade, a dedicação e a criatividade como o projecto é concebido permitiram captar notoriedade a nível nacional e internacional. Efectivamente há muito trabalho, muito esforço da comunidade paroquial de São Tiago de Priscos, que trabalhou em equipa e cada figurante colocou empenho, entrega e profissionalismo para apresentar a melhor recriação histórica possível do nascimento de Jesus”.

Marco Ivan, o arquitecto responsável pelas construções do presépio, garante que “é muito bom participar neste magnífico projecto, cheio de memória e história”, sublinhando que o Presépio de Priscos é muito mais que arquitectura e destaca-se, acima de tudo, pelo seu conteúdo, numa recriação levada com grande responsabilidade por parte das centenas de figurantes.

Para os figurantes é um orgulho fazer parte do presépio, assim indica Firmino Silva, que desta vez personificou o rei Herodes.

Francisco Araújo, responsável pelas construções do presépio apontou que as construções são feitas “com muita paixão e trabalho” e louvou o empenho levado a cabo pelos reclusos do Estabelecimento Prisional de Braga.

Ao todo foram mais de 90 cenários e 600 figurantes que participaram nesta edição do Presépio ao Vivo de Priscos, que este ano teve como novidade uma ponte com seis arcos, simbolizando a necessidade de fazer pontes, onde existem muros.

Deixa o teu comentário