Braga, quinta-feira

Privados disponíveis para desmarcar cirurgias para reforçar camas e UCI

Nacional

19 Novembro 2020

Redação

Os hospitais privados estão disponíveis para desmarcar cirurgias para libertar camas e capacidade de cuidados intensivos, adiantou hoje o presidente da Associação Portuguesa da Hospitalização Privada (APHP), Óscar Gaspar.

Os hospitais privados estão disponíveis para desmarcar cirurgias para libertar camas e capacidade de cuidados intensivos, adiantou hoje o presidente da Associação Portuguesa da Hospitalização Privada (APHP), Óscar Gaspar.

Num debate online, dedicado à saúde e apoio social, no âmbito do Ciclo de Conferências Retomar Portugal organizado pelo BPI, Jornal de Notícias e TSF, o representante dos hospitais privados defendeu a disponibilidade do setor para uma maior articulação e apoio ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), para doentes covid e não covid, referindo que os privados “não se põem de fora do apoio direto à questão da covid e também dos cuidados intensivos, havendo essa disponibilidade”.

“Temos vindo a insistir nas últimas semanas que era muito importante conhecer o planeamento do Ministério da Saúde, porque há a possibilidade de também os privados cancelarem as cirurgias, como está a ser feito numa série de hospitais públicos, no sentido de também libertarmos camas e capacidade de cuidados intensivos, nomeadamente para a covid ou para recebermos pessoas que hoje estão internadas nos hospitais do SNS e que venham a ser transferidas para os hospitais privados”, disse Óscar Gaspar.

Questionado sobre preocupações levantadas recentemente com os impactos do adiar de consultas e cirurgias no avolumar de listas de espera, Óscar Gaspar disse que a maior preocupação neste momento deve ser com os cuidados de saúde primários e não com os cuidados hospitalares, que “estão a trabalhar e mobilizados, seja para covid ou não covid”.

“Preocupa-me muito o nível baixo de atividade dos cuidados de saúde primários, que por sua vez, não prescrevem às pessoas cuidados de diagnóstico, não referenciam para o serviço hospitalar e pode dar-se aqui este caso irónico de, no final deste processo, termos menos pessoas nas listas de espera do que tínhamos. Por um efeito aqui de evidente inércia, ou seja, as pessoas pura e simplesmente não estão a alimentar as listas de espera, porque não estão a ser referenciadas […] Isto é um problema da maior gravidade. Mais do que a questão dos hospitais penso que é a questão dos cuidados de saúde primários que devia fazer acender umas luzes vermelhas neste momento no Ministério da Saúde”, afirmou.

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, disse, por seu lado, que para além dos casos clínicos que estão a ser deixados para trás e a permitir-se uma evolução para casos mais graves será preciso também atenção especial à saúde mental e a um reforço de resposta nesta área.

Defendeu também que “estamos num momento excecional que implica a colaboração de todos” e que nesta situação “não há recursos que possam ser dispensados”, lembrando o “contributo inultrapassável” dos privados em matéria de testagem à covid-19, sem o qual estaríamos agora em “muito piores lençóis”.

Sobre testes, Ricardo Mexia destacou as diferenças, mas também a utilidade dos três tipos de testes disponíveis – antigénio (rápidos), PCR, serológicos – sublinhando que nenhum substitui qualquer dos outros.

Sobre os rápidos, mais baratos, Ricardo Mexia sublinhou a expectativa depositada nestes testes para o combate à pandemia, referindo que apesar de uma sensibilidade menor, ao detetarem infeções num ponto em que as pessoas estão mais contagiosas, por fornecerem resultados rápidos podem ter uma utilidade maior na quebra de cadeias de transmissão, um objetivo para o qual, insistiu, continua a ser necessário alocar mais recursos humanos e não apenas anunciá-los, sobretudo para os inquéritos epidemiológicos e contactos de vigilância.

Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), sublinhou que os testes rápidos vão permitir adotar medidas mais rapidamente nos lares e sobre as brigadas de intervenção rápida, recentemente criadas para agir de emergência em lares com surtos, comentou o caso do lar de Alhandra - onde os responsáveis disseram que a intervenção das brigadas demorou uma semana após ser conhecido o surto – referindo que tem sido difícil encontrar pessoas para integrar estas equipas, porque “trabalhar com idosos não é apetecível” e as pessoas têm medo de o fazer em contexto de pandemia.

Adiantou ainda que a residência com 160 lugares disponíveis para acolher doentes de covid-19 já em recuperação, na Póvoa do Lanhoso, Braga, recebe na sexta-feira as primeiras 20 pessoas.

Óscar Gaspar deixou ainda preocupações com o “pouco investimento” em saúde do país, que deixa Portugal “muito abaixo da média europeia”, e com os dados que revelam que apesar dos impostos os portugueses ainda pagam do seu bolso 30% dos seus cuidados de saúde, contra, por exemplo, uma comparticipação direta na ordem dos 13% na Alemanha, defendendo que é necessário “mais investimento na saúde que não pode recair sobre os cidadãos, já sobrecarregados”.

Sobre a notícia de que nos últimos meses mais 600 mil portugueses contrataram seguro de saúde, considerou-a “surpreendente numa altura em que as pessoas estão com quebras de rendimento”, mas reveladora de que as pessoas estão a “procurar alternativa para aceder a cuidados de saúde”.

“Enquanto presidente da APHP fico muito satisfeito com esta escolha, mas enquanto cidadão fico preocupado com o facto de haver esta avalanche de pessoas que de repente entende que pode não ter acesso ao SNS”, disse.

Portugal contabiliza pelo menos 3.701 mortos associados à covid-19 em 243.009 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de novembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado e municípios vizinhos. A medida abrange 191 concelhos.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho