Braga, quarta-feira

Programa de emergência social é marca do executivo liderado por Raul Cunha

Regional

26 Dezembro 2020

Redação

Presidente da Câmara de Fafe garante que a acção social tem sido uma prioridade para o seu executivo e que ao longo dos últimos anos tem desenvolvido vários programas de apoio social para ir de encontro às necessidades das pessoas.

A forte componente social é uma marca do executivo de Raul Cunha, presidente da Câmara Municipal de Fafe ao longo dos últimos cerca de oito anos. São vários os apoios e programas encetados para “ir de encontro às necessidades das pessoas”, com iniciativas como o apoio à renda, o apoio aos cuidados de saúde, o programa abem (medicação), apoio psicológico, bolsas de estudo e o Programa de Emergência Social.

“O grande objectivo central das nossas políticas, seja com as obras realizadas, seja com iniciativas, foi sempre ir de encontro às necessidades das pessoas”, frisou o autarca fafense, lembrando o “trabalho difícil” levado a cabo num contexto “de grandes dificuldades económicas e financeiras do país relacionadas com o período da troika”.

Desde que abraçou a Câmara de Fafe, Raul Cunha delineou, desde logo, um “projecto mais ambicioso “ao nível do apoio social autárquico”, construindo um programa que inclui, hoje, iniciativas diferenciadas, dando simultaneamente ferramentas ao serviço social da autarquia para dar resposta às necessidades da população em situações mais pontuais.

Foi precisamente esse Programa Municipal de Emergência Social instituído já desde 2014 que permitiu responder aos inúmeros pedidos de ajuda despoletados com a crise económica provocada pela pandemia de Covid-19. “São centenas de famílias que têm beneficiado destes apoios e quando criado teve uma adesão imediata, depois o número de pedidos de apoio desceu com melhoria da situação económica e agora, com o contexto pandémico, está de novo a subir”, reflectiu o edil.

“Este programa de emergência social é um ‘chapéu’ onde se enquadra o apoio a pequenas despesas como o gás, a água, a electricidade, o transporte ambulatório de doentes e, entretanto, foram criados outros projectos específicos como o programa de apoio à aquisição de medicação (Programa Abem), um programa de apoio ao à renda e ao crédito, o programa de apoio de bolsas de estudo para o Ensino Superior”.

O presidente do Município de Fafe chama atenção para a importância social que tem tido este programa de bolsas para o Ensino Superior, que, “compreende actualmente uma majoração de 40% da bolsa atribuída pelo Estado e que tem possibilitado a muitas famílias do concelho que os filhos possam estudar fora”, frisou. E são centenas de jovens que beneficiam deste apoio municipal, que para as famílias “é um alívio” em termos de orçamento mensal.

Entre as várias iniciativas de apoio social, o Município de Fafe tem também um programa para para permitir o melhoramento das condições de habitabilidade.

“O Programa Municipal para Melhoria de Habitação de Agregados Familiares Carenciados pretende ir ao encontro de famílias que vivam sem o mínimo de condições de habitabilidade e sem recursos económicos para efectuar obras de reparação nas respectivas casas”.

O plano de acção social de Fafe tem apostado também em programas educativos e formativos também para os mais jovens, como é disso exemplo o programa ‘Ser Solidário’, que dá a oportunidade à juventude fafense de ter uma experiência no mundo do trabalho durante um determinado período de tempo em troca de uma bolsa de 200 euros mensais.

Para Raul Cunha, todo este programa geral de apoios sociais que está instituído e que foi desenvolvido nos últimos anos, possibilita que o Município de Fafe “fique dotado de instrumentos de apoio sociais importantes, sobretudo, para os próximos tempos”.

Moradores do ‘Bairro da Cumieira’ mostram “felicidade” com reabilitação das suas casas

O Bairro da Cumieira, em Fafe, está, hoje, de ‘cara lavada’ e a população residente mostra-se agradada com as obras de requalificação. Ao todo estão a ser investidos 10 milhões de euros para dar melhores condições de vida e oportunidades a quem lá vive.

“A Reabilitação do Bairro da Cumieira é o maior investimento de sempre na inclusão e na integração feito em Fafe”. Raul Cunha, presidente da Câmara Municipal de Fafe, diz que o projecto trouxe “mais e melhores condições de vida” para quem lá vive. Ao todo são nove milhões de euros investidos numa “obra importante” que estimula a regeneração urbana, que vai avançar agora com o projecto de arranjos exteriores, no valor de um milhão de euros, que vai arrancar brevemente.

“Com a requalificação do Bairro da Cumieira, estamos a contribuir para um desenvolvimento harmonioso da nossa cidade, a todos os níveis, pois nenhuma sociedade cresce sem um nível de coesão territorial e social forte e sustentado”, sublinha o edil.

O projecto de requalificação do Bairro da Cumieira foi iniciado no ano passado e incluiu a reabilitação total dos 11 blocos habitacionais, beneficiando as 245 habitações e com uma profunda transformação das 195 habitações sociais do Município de Fafe. As diferenças são visíveis. O bairro deixou de ter o aspecto sombrio e degradado, dando lugar a prédios de pintura recente e praticamente a casas novas.

“Promover o direito à habitação condigna ajuda na erradicação da pobreza, acredita Raul Cunha, avançando que também em breve vai arrancar também a requalificação do Bairro do Retiro, ao lado do Bairro da Cumeira.

Aos 74 anos, D. Maria da Conceição diz que se sente “melhor” na Cumieira. “Já vivo aqui há 40 anos, criei aqui os meus dois filhos e é aqui que é a minha casa”, disse, no meio da rua principal que atravessa o bairro, quando saía de casa para cumprir os seus afazeres domésticos.

“Claro que estou contente com as obras. Eram muito precisas e vão trazer-nos mais condições para vivermos um pouco melhor”, atirou, indicando que neste momento está a viver noutra casa enquanto a sua está a ser recuperada. “Aqui no bairro as rendas são mais acessíveis e é uma grande ajuda para nós”.

A felicidade de ver as condições das suas habitações melhoradas está estampada no rosto das jovens primas Tatiana, Samaritana e Micaela. Duas delas vieram de outras terras e casaram em Fafe, dentro da sua comunidade de etnia cigana, residindo no Bairro da Cumieira.

Samaritana casou há oito anos e, apesar da juventude que tem, já é mãe de três crianças e, por isso, vê com bons olhos as obras de requalificação que a autarquia está a levar a cabo no bairro de habitação social. “Sem dúvida que esta é uma grande ajuda para nós, pois não poderíamos fazer estes melhoramentos”, confessou à reportagem do ‘Correio do Minho’.

Além das obras de requalificação, decorrem paralelamente outros projectos sociais no Bairro da Cumieira, como o ‘Projecto EI! - Educação para a inclusão’, o ‘Projecto Trilhos Interculturais’ e o ‘GPS4G’, que acompanham a população residente e que visam a promoção da participação cívica, da integração, da igualdade e da coesão social.

Deixa o teu comentário