Braga, sábado

Projecto RES2VALHUM é exemplo de cooperação transfronteiriça

Regional

11 Dezembro 2020

Redação

O projecto transfronteiriço RES2VALHUM, que envolveu a cooperação das Universidades do Minho e de Santiago de Compostela e vários parceiros na valorização de resíduos, findou com êxito.

Depois de ter licenciado este ano o seu composto orgânico ‘Ferti +’, a Braval, empresa intermunicipal de Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos do Baixo e Alto Cávado, já começou a fase da comercialização do produto, tendo ainda esta semana contratualizado, pela primeira vez, a venda de 60 toneladas do composto a uma empresa vitivinícola.

Pedro Machado, director geral executivo da Braval, garantiu que o sucesso do projecto ‘Ferti +’ resultou da parceria colhida no âmbito do ‘RES2VALHUM - Valorização de resíduos orgânicos’ - um projecto europeu de cooperação transfronteiriça Galiza-Norte de Portugal, no âmbito do Programa Interreg, que foi encerrado ontem com uma conferência final online via Universidade do Minho.

A Braval foi uma das entidades parceiras neste projecto transfronteiriço, que uniu as Universidades do Minho e de Santiago de Compostela, empresas e centros de investigação, entre outras entidades, trabalhando pelo mesmo objectivo: da valorização dos resíduos orgânicos.

“Este projecto aproximou as regiões do Norte de Portugal e da Galiza num tema que pretende fomentar a economia circular com a criação de composto com características melhoradas quer em termos de acção fertilizante em solos agrícolas, quer em termos de recuperação de solos degradados de minas”, assinalou Fernanda Proença, líder do projecto ‘RES2VALHUM’ na UMinho, apontando para outros usos possíveis como, por exemplo, em biofiltros no tratamento de águas residuais.

Filipe Vaz, pró-reitor da UMinho, destacou a “felicidade” deste projecto para o Departamento de Química e academia minhota. “Ter um consórcio constituído por duas universidades de referência em Portugal e na Espanha e um conjunto de empresas que estão directamente interessadas nos resultados do projecto é uma das grandes vantagens deste projecto de cooperação”, assinalou.
Já o vice-reitor para a investigação da USC, Vicente Pérez Muñuzur, deixou um apelo: “temos que fazer um futuro sustentável, é importante que façamos algo com os nossos resíduos orgânicos no sentido de os aproveitar. Esta é uma estratégia europeia que está muito alinhada com a iniciativa de economia circular da Galiza - que também foi aprovada no ano passado e prevê a recuperação e fertilização dos solos”.
Graça Fonseca, sub-directora do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial da Eurorregião Galiza-Norte de Portugal, disse que o projecto ‘RES2VALHUM’ “concretiza os investimentos e práticas essenciais para responder a um dos maiores desafios eu se colocam à Humanidade: garantir a possibilidade de viver e prosperar dentro dos limites do planeta de forma justa”. “A capacidade de desenvolver expande-se com cada cooperação e trabalhos em rede como aconteceu neste projecto”, disse.

Deixa o teu comentário