Projeto de 90 mil euros vai colmatar necessidades de 30 organizações culturais do Norte

Diversos

12 Março 2021

Lusa

A companhia Instável Centro Coreográfico coordena um projeto, intitulado Coriolis e financiado em 90 mil euros, que pretende colmatar as necessidades de 30 organizações culturais de artes performativas do Norte, através de formações co-construídas, revelou hoje a responsável.

“O que o projeto tem de diferenciador dos restantes é que vai ser co-construído com as organizações com o intuito de encontrarmos pontos de encontro”, afirmou hoje Catarina Serraniza, em declarações à Lusa.
 

O projeto Coriolis – Movimento Sustentável, que se iniciou em setembro de 2020, tem uma verba de 90 mil euros, 90% da qual financiada pelo programa EEA Grants, Mecanismo Financeiro Plurianual, que visa desenvolver ações para reduzir disparidades sociais e económicas na Europa.
 

Com o objetivo promover a sustentabilidade e colmatar necessidades relacionadas com a gestão, comunicação e financiamento, o projeto envolve 30 organizações culturais de artes performativas da região Norte, provenientes do Porto, Braga, Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso e Vila Real.
 

Numa altura em que “a maior parte destas organizações está com a sua atividade afetada”, Catarina Serrazina afirmou que é “um período excecional para o desenvolvimento das suas próprias capacidades”, bem como para o melhoramento dos seus procedimentos.
 

“O objetivo é voltarem-se para dentro e fazerem o possível para sair desta crise mais capazes”, salientou.
 

Depois de um estudo de diagnóstico das necessidades das organizações, conduzido pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, vão agora ser dinamizados módulos de formação.
 

Gestão cultural, direitos de autor, comunicação cultural, diversificação das fontes de financiamento, políticas culturais e europeias e obrigações legais são alguns dos módulos que vão decorrer até junho e ser conduzidos por sete formadores.
 

Além da companhia Instável – Centro Coreográfico, o projeto conta ainda com a Rede Inducar como parceiro, que vai conduzir um programa de colaboração.
 

Com o intuito de capacitar estas 30 organizações a desenvolverem procedimentos de gestão “mais eficazes”, melhores métodos de comunicação, de modo a ficarem menos dependentes de fontes únicas de financiamento, o projeto conta ainda com um programa de colaboração, coordenado pela entidade parceira do projeto, a Rede Inducar.
 

“A Rede Inducar está responsável por facilitar o programa de colaboração. O projeto incide num programa de formação e num de colaboração onde se incentiva a aproximação entre organizações participantes, a partilha de melhores práticas e uma colaboração mais informal”, afirmou.
 

O projeto, que termina em abril de 2022, enquadra-se no Eixo 4 do programa Cidad@os Ativos, promovido em Portugal pelo consórcio Fundação Bissaya Barreto e Fundação Calouste Gulbenkian.
 

O nome remete para o efeito Coriolis, da Física, que diz respeito ao impacto de diferentes forças nos corpos em movimento.

Deixa o teu comentário