Braga, quinta-feira

Realense FC: Um emblema mítico a renascer

Desporto

06 Outubro 2022

Joana Russo Belo Joana Russo Belo

Realense FC está em festa pela comemoração do 80.º aniversário. Histórico clube da Associação de Futebol de Braga atravessa uma fase de renascimento, numa aposta clara na formação tendo em vista o futuro.

É um dos emblemas míticos da Associação de Futebol de Braga. Aos 80 anos - data celebrada no passado dia 30 de Setembro - o Realense Futebol Clube vive uma fase de renascimento, marcada pela reestruturação da colectividade, que tem procurado, nos últimos anos, unir esforços e recuperar a força de outros tempos. Histórico emblema bracarense aposta na formação tendo em vista o futuro, para que possa voltar a outros patamares por onde já andou e alcançar outros voos no futebol distrital.

A prioridade, neste momento, passa por tentar reunir os apoios possíveis para continuar a reerguer o clube, elevando o seu nível, ano após ano, sempre com olhos postos na formação, bandeira de sempre do Realense e garante contínuo da mística, bairrismo e identidade do clube.

Considerado como uma família, pelos valores que transmite aos mais novos - não só na formação desportiva enquanto atletas, mas também na formação enquanto homens -, o Realense conta com uma história rica, sobretudo em termos dos escalões de formação, num palmarés enriquecido pelas taças conquistadas pelas equipas mais jovens.

Actualmente, a equipa sénior do Realense Futebol Clube milita na I Divisão da AF Braga, prova em que tem participando nos últimos anos, à excepção da época 2020/21 em que não competiu fruto da pandemia. Já chegou a andar por outros patamares, desde logo a Divisão de Honra, na altura o escalão máximo do futebol distrital, e dispõe ainda de uma secção de atletismo com provas dadas.

Reerguer o clube ano após ano é a principal missão

Eleito em 1988/89, José Carvalho regressou ao Realense FC há sete anos para liderar a comissão administrativa que vai gerindo os destinos do clube bracarense. Apesar de ter sido presidente há mais de 30 anos, ao longo dos anos nunca se desligou do clube e como filho da terra é um dos realenses com ligação muito forte ao clube do coração, numa história bem longa de união ao emblema da freguesia.

Neste momento - e depois de dois anos difíceis fruto da pandemia - que obrigaram a uma ginástica financeira dos clubes distritais -, o Realense FC está numa fase de reestruturação, com o objectivo claro de voltar a elevar o nome de uma das mais antigas colectividades bracareses. Assumidamente um clube formador, o Realense conta com cerca de 200 atletas numa missão de formar os jovens para que possam ingressar nos seniores, sendo este o caminho a percorrer no que toca aos escalões da formação, que a direcção entende ser a base de sustentabilidade do Realense Futebol Clube. Aposta passa por preparar os jovens para poderem estagiar na formação e serem mais-valias para a equipa sénior, para, quem sabe, se sonhar com a subida de divisão.

“Temos um projecto de futuro com a formação para outros voos”

A formação é a grande bandeira do Realense FC e assume-se como a grande aposta, de olhos pontos no crescimento do clube a curto prazo, por forma a pensar em objectivos mais ambiciosos. Com equipas em vários escalões, a missão passa por formar jovens e atletas para que possam chegar à equipa sénior, dando seguimento ao processo formativo até à estreia na principal equipa, absorvendo os talentos que despontam nos plantéis juniores.

“Temos um projecto de futuro por causa da formação para conseguirmos outros voos. Não será no imediato, até porque depois temos que ver o que a formação nos pode dar, mas julgo que é assim que podemos voltar a pensar em colocar o clube nos patamares mais altos a nível distrital. Julgo que tem faltado um pouco de ambição de querer fazer mais. Se há condições, porque não? É um projecto que, na minha opinião, está bem orientado e com a formação a dar frutos o clube vai ser muito feliz”, destacou o treinador José Pedro Monteiro, num discurso assente na aposta da direcção, em que “a formação será sempre a base para que o clube cresça em todos os sentidos”.

Lembrando que existem, neste momento, cerca de 200 atletas no activo no clube - um número que já obriga “a muita logística, trabalho e dedicação para que tudo corra bem” -, o técnico aponta a formação como único caminho de crescimento e desenvolvimento.

“Não fazia muito sentido o clube ter formação para depois não dar seguimento aos miúdos ou mesmo abandoná-los. A formação será sempre a base e é o futuro de clubes como o Realense”, frisou José Pedro Monteiro, elogiando o trabalho da direcção.

“Tem trabalhado no sentido que nada falta aos atletas. O Realense tem excelentes condições de trabalho e, por isso, poderá pensar em outros voos. Acho que este clube pode aspirar a mais, já que tem condições para isso”, rematou.

“Temos um projecto de futuro com a formação para outros voos”

Aformação é a grande bandeira do Realense FC e assume-se como a grande aposta, de olhos pontos no crescimento do clube a curto prazo, por forma a pensar em objectivos mais ambiciosos. Com equipas em vários escalões, a missão passa por formar jovens e atletas para que possam chegar à equipa sénior, dando seguimento ao processo formativo até à estreia na principal equipa, absorvendo os talentos que despontam nos plantéis juniores.

“Temos um projecto de futuro por causa da formação para conseguirmos outros voos. Não será no imediato, até porque depois temos que ver o que a formação nos pode dar, mas julgo que é assim que podemos voltar a pensar em colocar o clube nos patamares mais altos a nível distrital. Julgo que tem faltado um pouco de ambição de querer fazer mais. Se há condições, porque não? É um projecto que, na minha opinião, está bem orientado e com a formação a dar frutos o clube vai ser muito feliz”, destacou o treinador José Pedro Monteiro, num discurso assente na aposta da direcção, em que “a formação será sempre a base para que o clube cresça em todos os sentidos”.

Lembrando que existem, neste momento, cerca de 200 atletas no activo no clube - um número que já obriga “a muita logística, trabalho e dedicação para que tudo corra bem” -, o técnico aponta a formação como único caminho de crescimento e desenvolvimento.

“Não fazia muito sentido o clube ter formação para depois não dar seguimento aos miúdos ou mesmo abandoná-los. A formação será sempre a base e é o futuro de clubes como o Realense”, frisou José Pedro Monteiro, elogiando o trabalho da direcção.

“Tem trabalhado no sentido que nada falta aos atletas. O Realense tem excelentes condições de trabalho e, por isso, poderá pensar em outros voos. Acho que este clube pode aspirar a mais, já que tem condições para isso”, rematou.

Deixa o teu comentário