Braga, terça-feira

Recuperação e adaptação do Mosteiro de Rendufe ao turismo estimadas em 5,5 ME

Regional

07 Agosto 2020

Lusa

O concurso para concessão do Mosteiro de Santo André de Rendufe, em Amares, no âmbito do Programa Revive, foi hoje aberto, estando em 5,5 milhões de euros o investimento estimado para a recuperação e adaptação do imóvel à exploração turística.

Em declarações à Lusa, à margem da assinatura da abertura daquele procedimento assinado hoje em Amares, o presidente da Câmara Municipal, Manuel Moreira, explicou que o recurso ao "Revive" foi a "única forma encontrada para voltar a dar dignidade" ao monumento, classificado como de interesse público em 1943.


A concessão será por um período de 50 anos, desejando o autarca que se instale naquele lugar um hotel de cinco estrelas para "ajudar na dinamização da economia local e fazer de Amares uma referência no Turismo do Minho".
 

"O Mosteiro de Santo André de Rendufe foi um dos principais centros beneditinos portugueses entre os séculos XII e XIV, remontando a sua construção a data anterior a 1090. O conjunto monástico encontra-se atualmente em ruínas, mantendo, contudo, a silhueta arquitetónica e o marcante aqueduto", lê-se no documento de apresentação do local distribuído pelo Governo, atual detentor do espaço.
 

Segundo explica o texto, "isolado entre vinhas, o acesso faz-se através de um imponente terreiro enquadrado com a fachada barroca da Igreja e o conjunto monástico a sul, o dormitório que remonta a 1728 e o claustro, do qual subsistem as ruínas do primeiro nível com arcadas e capitéis toscanos".
 

O concurso lançado hoje em Amares é ao 22.º lançado no âmbito do REVIVE e os investidores interessados têm o prazo de 120 dias para apresentação de propostas que, refere o documento, "além de darem uma nova vida a este imóvel histórico, contribuam para a atração de turistas para a região e para a dinamização da economia local".
 

Este é um dos 33 imóveis inscritos na primeira fase do REVIVE, um programa da iniciativa conjunta dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças que conta com a colaboração das autarquias locais. Pretende-se valorizar e recuperar o património devoluto, reforçar a atratividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país.
 

Em 2019 foi lançada a segunda edição do REVIVE, com a integração de 16 novos imóveis, totalizando agora 49 imóveis, dos quais 21 se localizam em territórios do interior.
 

Até ao momento, foi adjudicada a concessão de 16 imóveis no âmbito deste Programa, que representam cerca de 135,5 milhões de euros de investimento na recuperação de imóveis públicos e rendas anuais na ordem dos 4,4 milhões de euros.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho