Braga, segunda-feira

Residência Confiança custará mais de 12 milhões de euros

Regional

12 Janeiro 2020

Lusa

Câmara Municipal de Braga calcula em quase 12,2 milhões de euros custo de reabilitação da Fábrica Confiança com construção de residência universitária. Estimativa apresentada a potenciais investidores.

O futuro proprietário do edifício da antiga Saboaria e Perfumaria Confiança terá de investir mais de 12 milhões de euros para cumprir as condições exigidas pela Câmara Municipal de Braga para a alienação do imóvel em hasta pública. A estimativa orçamental de investimento na reabilitação do edifício da Fábrica Confiança e na construção de um novo para acolher uma residência de estudantes é apresentada pelos serviços técnicos da autarquia na proposta de alienação que é votada esta segunda-feira em reunião quinzenal da vereação.
 

No caderno de encargos apresentado a potenciais investidores, os técnicos da Câmara Municipal calculam em cerca de dois milhões de euros o investimento na reabilitação do pavilhão da Fábrica Confiança, na Rua Nova de Santa Cruz, a que somam 8,9 milhões de euros para a construção de um novo edifício de sete andares destinado a residência estudantil com 300 unidades de alojamento.


A estes valores acrescem 1,2 milhões de euros para a implantação de dois pisos subterrâneos de garagens.


A hasta pública que a Câmara Municipal vai lançar em breve para a alienação da Fábrica tem um preço base de três milhões e 561 mil euros.
 

No actual edifício da Confiança será instalado um centro interpretativo da Fábrica que ali funcionou até 2005, a par de espaços de restauração, comércio e de apoio à residência estudantil.


Depois de duas suspensões de hastas públicas motivadas por acções judiciais, o presidente da Câmara Municipal, Ricardo Rio, reafirmou, há dias, a intenção de alienação do imóvel adquirido em 2012, agora com um novo caderno de encargos que obriga a manter a volumetria do actual edificado e à construção de um novo edifício a funcionar como residência de estudantes.


O autarca admitiu ter recebido intenções de investimento na Fábrica Confiança da parte de vários promotores privados.
 

O?programa proposto para o futuro da antiga saboaria e perfumaria, num pedido de informação prévia apresentado pela Câmara Municipal, mereceu parecer favorável condicionado da directora geral do Património Cultural, Paula Silva, ouvido o Conselho Nacional de Cultura, órgão que considerou “adequada” a volumetria da nova construção, recomendando, por outro lado, “o célere restauro e reabilitação da antiga fábrica” e um “cuidado estudo arqueológico” numa zona por “onde se sabe correr o traçado de uma antiga via romana”.

Deixa o teu comentário