Braga, quarta-feira

Santo Adrião ganha parque inclusivo

Regional

03 Julho 2021

Redação

Decorrem as obras no Largo Dr.Francisco Araújo Malheiro com uma perspectiva de integração. O espaço será dotado de um parque infantil para crianças dos 2 aos 10 anos e de zonas de lazer e convívio.

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, visitou ontem, pela manhã, as obras do Largo Dr. Francisco Araújo Malheiro em Santo Adrião. Estiveram também presentes o presidente da União de Freguesias de S. José de S. Lázaro e de S. João do Souto, João Pires, o arquitecto responsável pela elaboração do projecto, Sérgio Borges e o vereador das obras municipais do munícipio de Braga, João Rodrigues.

Sérgio Borges começou por explicar que o objectivo principal foi “a criação de um parque infantil inclusivo para crianças com mobilidade reduzida, aproveitando o parque que já existia e tentar a proveitar o espaço que sempre esteve desaproveitado”. O arquitecto referiu também que a iluminação do local será melhorada, e afirmou a possibilidade de o espaço poder ser percorrido na diagonal.

O parque infantil vai ser dotado de uma cerca, agora imposta por obrigação, assim como portões que fecham automaticamente, o que vai permitir uma maior segurança para as crianças.

Sérgio Borges destacou o melhoramento da condições da praça como novos espaços de estar, bem como o facto de o parque infantil ser adaptado para crianças dos 2 aos 10 anos.

Quanto à importância da criação do parque infantil inclusivo, João Pires menciona que “era um espaço que estava degradado e as pessoas da Quinta da Capela acharam que tinham o direito de ter o seu parque infantil e a praça embelezada. Assim, a câmara elaborou o respectivo projecto e está a fazer as devidas alterações criando espaços de lazer, tanto para crianças como para idosos, algo que as pessoas já há muito tempo anseavam”.

Para além do projecto em desenvolvimento, Ricardo Rio enalteceu também outras obras já feitas, nomeadamente na Rodovia, com a instalação de um baloiço com condições para pessoas de mobilidade reduzida.

O presidente do município assume que “nem sempre se cal-culou esta complementaridade das zonas de equipamento. Em muitas situações, as mesmas eram zonas sobrantes dos espaços de construção que não eram devidamente valorizadas”.

Ainda assim, no que diz respeito a futuras obras do mesmo âmbito, o autarca afirma que “há uma grande preocupação em tentar reenventar determinados espaços e dotá-los de condições para que as pessoas possam fruir dos espaços e terem zonas de lazer, prática desportiva e de convívio”.

Na obra em causa foram investidos cerca de 150 mil euros e, segundo o arquitecto responsável pela sua elaboração, o espaço ficará concluído até “meados do próximo mês”.

Deixa o teu comentário