Braga, sexta-feira

Setor cultural 'tem-se queixado e com razão'

Nacional

13 Janeiro 2021

Redação

O primeiro-ministro reconheceu hoje que o setor da Cultura "tem-se queixado e com razão, porque é naturalmente atingido" pelo confinamento hoje decretado, e remeteu para quinta-feira o anúncio de medidas de apoio.

O primeiro-ministro reconheceu hoje que o setor da Cultura "tem-se queixado e com razão, porque é naturalmente atingido" pelo confinamento hoje decretado, e remeteu para quinta-feira o anúncio de medidas de apoio.

Em conferência de imprensa, hoje, em Lisboa, para anunciar as regras de um novo período de confinamento para tentar conter a pandemia da covid-19, António Costa disse que, na quinta-feira, a ministra da Cultura e o ministro da Economia apresentarão "um conjunto de medidas de apoio aos setores que são particularmente atingidos".

De acordo com decisão do Governo, os equipamentos culturais terão de encerrar a partir das 00:00 de sexta-feira, em Portugal Continental, tal como aconteceu em março do ano passado.

Em 2020, a paralisação da Cultura começou na segunda semana de março, depressa se estendeu a todas as áreas e, no final de 2020, entre “plano de desconfinamento” e estados de emergência, o setor somava perdas superiores a 70% em relação a 2019.

Portugal vai “regressar ao dever de recolhimento domiciliário”, a partir das 00:00 de sexta-feira, tal como em março e em abril, anunciou o primeiro-ministro, António Costa, na conferência de imprensa, alertando para este ser, simultaneamente, o momento “mais perigoso, mas também um momento de maior esperança”.

Na semana passada, várias estruturas da Cultura anunciaram a marcação de um protesto nacional para dia 30, de alerta para o que consideram a falta de respostas do Governo perante "as consequências devastadoras da pandemia".

Deixa o teu comentário