Braga, sexta-feira

TAP: Presidente executivo da companhia aérea cessa funções de imediato

Nacional

02 Julho 2020

Redação

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno santos, anunciou hoje que o atual presidente da Comissão Executiva da TAP, Antonoaldo Neves, vai ser substituído de imediato, sem revelar quem lhe sucede.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno santos, anunciou hoje que o atual presidente da Comissão Executiva da TAP, Antonoaldo Neves, vai ser substituído “de imediato”, sem revelar quem lhe sucede.

“Ao dia de hoje não temos resposta a todas essas questões [sobre a nova equipa de gestão da TAP], sobre quando teremos uma nova equipa e quando é que essa equipa de transição assumirá funções”, começou por referir o ministro, para precisar, no entanto, que o atual presidente executivo da companha aérea “terá de ser subsitituído”.

Falando na conferência de imprensa em que foi anunciado que o Governo chegou a acordo com os acionistas privados da TAP passando a deter uma participação de 72,5% na companhia área, o ministro disse ainda que a permanência de Antonoaldo Neves na empresa “não faria sentido”, tendo em conta que o acordo hoje alcançado formaliza a saída do acionista responsável pela contratação do gestor, o empresário David Neeleman.

Com o acordo alcançado, o Estado reforça na empresa, com a aquisição da participação de David Neeleman, por 55 milhões de euros, de 50% para 72,5%.

Questionado sobre se já há um nome para subsitituir Antonoaldo Neves, Pedro Nuno Santos referiu que o Governo já "iniciou o processo de reflexão".

Questionado também sobre se os restantes elementos da Comissão Executiva da TAP se manterão em funções, durante o período de transição e até que seja recrutada uma equipa qualificada e especializada, o ministro não avançou detalhes.

“Teremos uma solução transitória que será anunciada em momento próprio. Neste momento dizemos apenas que o CEO sai”, precisou.

Pedro Nuno Santos explicou que o plano do Governo passa por contratar uma empresa para procurar no mercado internacional uma equipa de gestão qualificada para a TAP.

“O Estado não vai gerir a TAP. Faremos um processo de seleção contratando uma empresa que tem no quadro da sua atividade procurar no mercado internacional uma equipa qualificada para gerir a TAP”, precisou o ministro.

“A TAP precisa de uma gestão qualificada e a TAP terá uma gestão qualificada”, referiu.

Depois deste acordo, o Estado fica com 72,5% da TAP, o empresário Humberto Pedrosa 22,5% e os trabalhadores os restantes 5%.

Deixa o teu comentário

Bem-vindo á Antena Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho